Banca de QUALIFICAÇÃO: TÁSSIO LEITE SOARES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : TÁSSIO LEITE SOARES
DATA : 30/06/2021
HORA: 14:00
LOCAL: Webconferência
TÍTULO:

AVALIAÇÃO CRÍTICA DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E DE POSSÍVEIS CENÁRIOS PARA USO AGRONÔMICO DE BIOSSÓLIDOS


PALAVRAS-CHAVES:

Lodo de esgoto; Biossólido; Compostagem; Patógenos.


PÁGINAS: 33
RESUMO:

Quanto maior e mais desenvolvida é uma cidade maior será a quantidade de esgoto que ela produzirá, é certo que as características microbiológicas e físico-químicas das águas residuárias estão associadas a uma série de fatores e variam de acordo com os hábitos da população, clima da região, classe social e econômica, assim efluentes de áreas domiciliares tendem a possuir maior carga orgânica e efluentes de áreas industriais maior quantidade de substâncias químicas como metais pesados. Os esgotos são encaminhados para as Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) onde, após ocorrer o tratamento e a separação da fase liquido-sólido é gerado um resíduo denominado Lodo de Esgoto (LE), produto rico em matéria orgânica e nutrientes. Atualmente, este tipo de resíduo é encaminhado para aterros sanitários, o que não é considerada uma prática economicamente viável e ambientalmente sustentável. Como alternativa de disposição tem-se utilizado o LE como biofertilizante para o enriquecimento do solo agrícola. Após o devido tratamento o LE é estabilizado e higienizado (biossólido) para a remoção dos microrganismos patogênicos e posterior uso na agricultura. O arcabouço normativo do saneamento no Brasil tem passado por mudanças de seus padrões e técnicas para disposição adequada dos resíduos estimulando um reuso consciente, recentemente a legislação que estipula os parâmetros microbiológicos para o uso do biossólido na agricultura foi atualizada (resolução CONAMA 498 de agosto de 2020. Logo o presente trabalho tem como objetivo realizar uma avaliação crítica da legislação brasileira referente ao uso agronômico do biossólido e a viabilidade do aproveitamento do lote de lodo de esgoto in natura, produzido por uma ETE, após secagem e compostagem, levando em consideração diferentes cenários que possam contribuir ou não para valorização desta prática.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1272239 - DANIELE VITAL VICH
Interna - 1644323 - KARINA RIBEIRO SALOMON
Interno - 3064870 - DANIEL PINTO FERNANDES
Externa ao Programa - 1120960 - IVETE VASCONCELOS LOPES FERREIRA
Notícia cadastrada em: 02/06/2021 09:49
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2022 - UFAL - sig-app-1.srv1inst1 29/05/2022 09:19