Banca de DEFESA: EDSON FERREIRA DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : EDSON FERREIRA DA SILVA
DATA : 02/09/2021
HORA: 14:00
LOCAL: PLATAFORMA GOOGLE MEET - VIDEOCONFERÊNCIA
TÍTULO:

PURIFICAÇÃO PARCIAL E CARACTERIZAÇÃO POR FLUORIMETRIA DA LACTOFERRINA BUBALINA (Bubalus bubalis) E AVALIAÇÃO DA INTERAÇÃO COM O ANTIBIÓTICO AMOXICILINA E O FLAVONOIDE QUERCETINA.


PALAVRAS-CHAVES:

Lactoferrina, funções biológicas, purificação, fluorimetria e esctrofotometria.


PÁGINAS: 110
RESUMO:

A lactoferrina (Lf) é uma glicoproteína com massa molecular de cerca de 80 kDa. Essa enzima pertence à família das transferrina que tem uma habilidade específica de realizar ligação com o íon ferro. A estrutura molecular da Lf é composta de uma única cadeia polipeptídica e cerca de 690 resíduos de aminoácidos. A Lf pode ser encontrada em várias secreções mucosas, como lágrimas, saliva, fluidos gastrointestinais, urina e fluido seminal e nos grânulos secundários de neutrófilos, sendo liberadas em locais onde há uma resposta inflamatória. A Lf é considerada uma proteína multifuncional, desempenhando vários papéis biológicos, tais como atividades antibacterianas, antivirais, antifúngicas, anti-inflamatórias, antitumorais, antioxidantes e imunomoduladoras. Este trabalho teve o objetivo de empregar distintas técnicas de purificação e comparar os métodos de purificação de lactoferrina-Lf presente no leite de bubalinos, monitorando a purificação por técnicas fluorimétricas e avaliar a interação da proteína com o antibiótico amoxicilina e o flavonoide quercetina (QCT) por espectrofotometria UV-vis. O processamento do leite de búfala iniciou-se com a separação da gordura por centrifugação. O leite desnatado foi acidificado com HCl 0,1 M até o pH 4.6 obtendo o soro acidificado.  Nessa etapa ocorreu a subdivisão do processamento para o soro ácido em dois processos distinto o processamento do soro ácido para a purificação por cromatografia e o processamento do soro ácido para isolamento pelo ponto isoelétrico da lactoferrina. Na purificação por cromatografia líquida o soro ácido foi neutralizado com NaOH até o pH 6.8 e o sobrenadante obtido por centrifugação foi submetido a precipitação salina nos perfis de 0-20%,020-40%, 40-60% e 60-80% de saturação de (NH4)2SO4. As análises fluorimétricas das frações salinas foram realizadas em comprimento de excitação a 290 nm e comprimentos de onda de emissão entre 300-550 nm. O perfil salino do precipitado ressuspendido 40-60% apresentou o espectro de extinção de fluorescência característico da lactoferrina. O precipitado ressuspendido 40-60% foi aplicado a cromatografia líquida em gel filtração Sephacryl S-100 e as frações 12 a 16 apresentaram o espectro de extinção de fluorescência característico da lactoferrina. A eletroforese SDS-PAGE à 8% obteve uma melhor resolução carga/massa das bandas marcadas pelo corante, que mostra a presença de duas entidades proteicas na fração Lactoferrina de bubalinos parcialmente purificada e a fração Lactoferrina comercial Sigma obteve uma entidade proteica no gel SDS-PAGE à 8%. A purificação isoelétrica pelo pI da lactoferrina bubalina do soro ácido foi titulado até pH 5.2 com NaOH 1 M, o sobrenadante obtido por centrifugação foi titulado até o pH 8.3 e centrifugado. As amostras dos sobrenadantes e precipitados ressuspendidos foram submetidas a quantificação do teor de proteínas pelo método de Bradford e realizados os estudos fluorimétricos e eletroforético. o precipitado ressuspendido a pH 8.3 obteve o espectro de extinção de fluorescência característico da lactoferrina. A eletroforese SDS-PAGE 9% apresentou presença de bandas de entidades todas as frações quando comparadas com a lactoferrina comercial. Os estudos espectrofotométricos foram realizados com adições de 100 μL de fração de Lactoferrina bubalina parcialmente purificada (0,842 mg/mL) e frações de amoxicilina e QCT nas concentrações de 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 8 µM. Os espectros UV-vis de absorção foram registrados de 190 à 450 nm. O estudo mostrou o isolamento e a purificação de lactoferrina bubalina por dois métodos distintos pode ser monitorado por fluorimetria. Através dos estudos espectros UV-vis de absorção foi possível detectar que a interação entre a lactoferrina e a amoxicilina desempenham um papel importante, com o aumento do espectro UV-vis de absorção quando comparado com o da lactoferrina parcialmente purificada, quercetina (QCT) e amoxicilina. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 426640 - FABIANE CAXICO DE ABREU GALDINO
Interno - 2089586 - FRANCIS SOARES GOMES
Interno - 1811274 - HUGO JUAREZ VIEIRA PEREIRA
Externa ao Programa - 1121304 - ADRIANA XIMENES DA SILVA
Externa ao Programa - 1121008 - SONIA SALGUEIRO MACHADO
Notícia cadastrada em: 01/09/2021 13:46
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2022 - UFAL - sig-app-2.srv2inst1 17/08/2022 09:50