PPGEC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL CENTRO DE TECNOLOGIA Telefone/Ramal: 3214-1455- https://sigaa.sig.ufal.br/ppgec

Banca de DEFESA: LUCAS PEREIRA DE GOUVEIA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LUCAS PEREIRA DE GOUVEIA
DATA : 20/10/2023
HORA: 14:00
LOCAL: LCCV e remoto pelo link: https://teams.microsoft.com/l/meetup-join/19%3ameeting_MmY2NDJhZjMtYzgzMi00
TÍTULO:

Resistência Residual ao Colapso de Tubos Desgastados e Corroídos: uma Abordagem Baseada em Dados de Inspeção e Modelagem Numérica


PALAVRAS-CHAVES:

Integridade de Poços, Colapso de Tubulares, Instabilidade, Perfilagem de Poços, Confiabilidade Estrutural


PÁGINAS: 129
RESUMO:

Este trabalho propõe uma metodologia de estimativa de resistência residual de tubos danificados por desgaste e/ou corrosão em poços de petróleo, compreendendo a inspeção geométrica dos elementos e sua modelagem numérica, numa abordagem probabilística. O objetivo é fornecer uma avaliação robusta da integridade estrutural de tubulares em ambiente de alta complexidade e risco, como é o caso da região do pré-sal brasileiro. Colunas de revestimento e de produção/injeção são importantes elementos de barreira de segurança, desempenhando funções estruturais cruciais e isolando poço e formação para evitar fluxo de fluido inesperado. O desgaste e a corrosão nesses tubulares ocorrem durante diferentes operações ao longo de seu ciclo de vida, sendo considerados de forma conservadora na fase de projeto, de modo a evitar situações de perda de integridade. No entanto, há muita incerteza nessas previsões. Equipamentos modernos de inspeção disponíveis no mercado, como ferramentas de perfilagem ultrassônica e eletromagnética, têm permitido avaliar o estado real dos tubos em serviço. O raio do tubo, a espessura e a perda de massa são os parâmetros medidos ao longo das colunas do poço. A interpretação adequada desses dados permite identificar os danos nos tubos e ainda quantificar as correspondentes severidades. Propõe-se uma metodologia para caracterização da geometria da seção transversal de tubos com base em dados de inspeção, na presença de incertezas de medição. Para estimar a resistência residual ao colapso dos tubos utilizam-se modelos bidimensionais não lineares do Método dos Elementos Finitos. Apresenta-se ainda uma análise probabilística da geometria residual de tubos danificados, adotando-se como variáveis aleatórias parâmetros da configuração do dano, como sua profundidade máxima e a posição. Os resultados alcançados permitem concluir que a configuração geométrica inicial do tubo danificado pode levar a resistências residuais com variações significativas, para diferentes parâmetros de dano, como profundidade, raio, posição e distribuição. Vale ressaltar que os modelos analíticos encontrados na literatura consideram esses fatores de forma parcial, mas não em sua totalidade. Desenvolve-se um estudo de caso com dados reais para demonstrar a aplicação da metodologia proposta, comparando os resultados com valores de referência.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1846598 - EDUARDO TOLEDO DE LIMA JUNIOR
Interno(a) - 1742402 - JOAO PAULO LIMA SANTOS
Interno(a) - 1514539 - WILLIAM WAGNER MATOS LIRA
Externo(a) à Instituição - CHARLTON OKAMA DE SOUZA - PETROBRAS
Externo(a) à Instituição - THEODORO ANTOUN NETTO - UFRJ
Notícia cadastrada em: 18/10/2023 14:39
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-3.srv3inst1 16/06/2024 09:45