Banca de QUALIFICAÇÃO: JAMES HENRIQUE ALMEIDA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JAMES HENRIQUE ALMEIDA
DATA : 19/12/2023
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 19, PPGCS-ICBS
TÍTULO:


VALIDAÇÃO DE UMA LUMINÁRIA PORTÁTIL DE BAIXO CUSTO SOBRE QUERATINÓCITOS HUMANOS E EFEITO PROTETOR DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs) 



PALAVRAS-CHAVES:

Radiação ultravioleta; Exposição acidental; Validação de protótipos.



PÁGINAS: 55
RESUMO:

Internações e mortes evitáveis ocorrem anualmente em unidades de saúde devido a infecções adquiridas nesses ambientes. A contaminação de superfícies por microrganismos patogênicos agrava esse cenário, demandando medidas de desinfecção. A radiação ultravioleta (UV) é um método estabelecido na literatura, inativando microrganismos ao danificar seus ácidos nucleicos. A exposição à radiação pode afetar não apenas o material intracelular do microrganismo, mas também um conjunto de células próprias de indivíduos expostos. Em resposta à COVID-19 em 2020, pesquisadores do Instituto Federal de Alagoas desenvolveram uma luminária de radiação UV-C de baixo custo para desinfecção abrangente, especialmente em unidades de saúde. A eficácia desse dispositivo requer comprovação de seus efeitos propostos para validar seu posterior uso. Portanto, o presente trabalho teve como objetivo contribuir para a validação da eficácia de uma luminária de radiação UV-C de baixo custo, averiguando os potenciais danos celulares causados pela exposição sob uma linhagem de queratinócitos não tumorais humanos (HaCaT) em diferentes tempos de exposição. Para tal, os queratinócitos foram expostos por diferentes períodos de tempo (10, 60 ou 300s) à radiação UVC (±16 mW/cm², 254 nm) e avaliados nos tempos de 1, 6, 24, ou 72 horas após a exposição, com ou sem a presença de equipamentos de proteção individual (EPIs). Os parâmetros avaliados foram: a viabilidade celular, análises morfológicas por microscopia óptica em células coradas com cristal de violeta, marcação com corantes fluorescentes para avaliar morte celular por apoptose ou necrose (marcação com laranja de acridina e iodeto de propídio - LA/IP), e ainda ensaio clonogênico.A exposição à radiação por 10 segundos resultou em uma redução significativa na viabilidade celular, apresentando uma notável diminuição percentual nas células viáveis nos diferentes intervalos de tempo avaliados. A densidade celular e suas características morfológicas foram alteradas após a exposição, evidenciando características atípicas em comparação com as células não expostas. O ensaio de fluorescência com LA/IP revelou um aumento na quantificação de células mortas, refletindo em uma menor densidade de células aderidas à placa. O ensaio clonogênico demonstrou uma eliminação completa das células após a exposição de 10 segundos de exposição durante o período de 14 dias do ensaio.  Os ensaios realizados com o uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) revelaram um nível de proteção às células que variou conforme o material empregado. Notavelmente, as luvas de látex e nitrílica apresentaram os melhores resultados, mantendo a viabilidade celular, morfologia e a quantidade de células mortas de forma semelhante ao grupo não exposto, indicando resultados positivos. Os resultados encontrados neste estudo demonstram que, como já era esperado, a luminária causa efeitos tóxicos para as células, através da promoção de danos ao DNA, e a presença de determinados EPIs, conferem proteção considerável para casos de exposição acidental dos usuários da luminária. Estes dados contribuem para o processo de validação da utilização do dispositivo confeccionado.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1345072 - JAMYLLE NUNES DE SOUZA FERRO
Interno(a) - 1298235 - EMILIANO DE OLIVEIRA BARRETO
Externo(a) à Instituição - RÉGIA CAROLINE PEIXOTO LIRA FUSCO
Notícia cadastrada em: 18/12/2023 15:58
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-3.srv3inst1 25/07/2024 06:52