Banca de DEFESA: JAMES HENRIQUE ALMEIDA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JAMES HENRIQUE ALMEIDA
DATA : 27/02/2024
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 19, PPGCS-ICBS
TÍTULO:


EFEITO DA RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA DE BANDA “C” SOBRE QUERATINÓCITOS HUMANOS E AVALIAÇÃO DE MATERIAIS COM POTENCIAL PROTETOR PARA A SAÚDE CUTÂNEA 



PALAVRAS-CHAVES:

Radiação ultravioleta; Danos celulares; Proteção.


PÁGINAS: 69
RESUMO:

A radiação ultravioleta (UV) é um método estabelecido na literatura, inativando microrganismos ao danificar seus ácidos nucleicos. A exposição à radiação pode afetar não apenas o material intracelular do microrganismo, mas também um conjunto de células próprias de indivíduos expostos. Em resposta à pandemia de COVID-19 houve um aumento no uso de dispositivos de radiação UV-C. No entanto, o aumento da utilização desses dispositivos para a desinfecção de superfícies aumenta os riscos de exposição humana a essa radiação. Assim, é importante avaliar os efeitos dessa exposição em células humanas, como queratinócitos, para garantir a eficácia e a segurança do uso desses dispositivos. Portanto, o presente trabalho teve como objetivo avaliar os efeitos da exposição à radiação UV-C (254 nm) sob uma linhagem de queratinócitos não tumorais humanos (HaCaT) em diferentes tempos de exposição e a proteção aferida por diferentes materiais. Para tal, os queratinócitos foram expostos por diferentes períodos de tempo (10, 60 ou 300s) à radiação UVC (±16 mW/cm², 254 nm) e avaliados nos tempos de 1, 6, 24, ou 72 horas após a exposição, com ou sem a presença de materiais de proteção. Os parâmetros avaliados foram: a viabilidade celular, análises morfológicas por microscopia óptica em células coradas com cristal de violeta, marcação com corantes fluorescentes para avaliar morte celular por apoptose ou necrose (marcação com laranja de acridina e iodeto de propídio - LA/IP), ensaio de produção de espécies reativas de oxigênio e ensaio clonogênico.A exposição à radiação por 10 segundos resultou em danos progressivos que afetaram diversos parâmetros, como a viabilidade celular, com uma diminuição notável nas células viáveis nos diferentes intervalos de tempo avaliados. Além disso, foi possível observar alterações morfológicas e na densidade celular, bem como um aumento de células mortas, evidenciando características atípicas em comparação com as células não expostas. Também foi observado um aumento significativo na produção de espécies reativas, indicando um estresse oxidativo induzido pela radiação UV-C. Notavelmente, o uso de materiais de proteção, como o látex e o nitrilo, conferiram uma proteção significativa às células, mantendo sua viabilidade e morfologia semelhantes às do grupo não exposto. Esses resultados indicam os efeitos deletérios da radiação UV-C para as células, corroborando com a literatura, e sugerem que o uso de materiais de proteção pode ajudar a mitigar esses efeitos.



MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1345072 - JAMYLLE NUNES DE SOUZA FERRO
Interno(a) - 1298235 - EMILIANO DE OLIVEIRA BARRETO
Externo(a) à Instituição - JULIANE CABRAL SILVA - UNCISAL
Notícia cadastrada em: 23/02/2024 16:22
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-1.srv1inst1 13/07/2024 13:20