Banca de QUALIFICAÇÃO: KAROLINE CRISTINA JATOBA DA SILVA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : KAROLINE CRISTINA JATOBA DA SILVA
DATA : 15/07/2021
HORA: 14:00
LOCAL: https://meet.google.com/grj-pzpw-csu (video confeência)
TÍTULO:

Atividade leishmanicida in vitro de derivados sintéticos da purpurogalina


PALAVRAS-CHAVES:

Leishmaniose. Derivados da purpurogalina. Doenças negligenciadas.


PÁGINAS: 65
RESUMO:

As leishmanioses são doenças infecciosas, não contagiosas, que tem como agente etiológico protozoários do gênero Leishmania. Trata-se de uma doença com um amplo espectro clínico. Embora seja endêmica em várias regiões do mundo, e considerada um problema de saúde pública em muitos países, observa-se que o arsenal farmacológico existente para a realização do tratamento das leishmanioses é limitado por uma série de fatores, como elevada toxicidade, eficácia variável, resistência adquirida pelo parasita que leva a um aumento na falha do tratamento e longos regimes de tratamento. Posto isso, observa-se que a farmacoterapia existente é muitas vezes insatisfatória, o que torna o planejamento e desenvolvimento de novos fármacos condição imprescindível. Destarte, surge a necessidade de encontrar novos protótipos candidatos a fármacos leishmanicida.  Nessa conjuntura, foi descrita na literatura a atividade antineoplásica e antipasitária de uma classe de compostos conhecidos como derivados da purpurogalina, uma benzotropolona natural, que pode ser facilmente produzida de forma sintética em laboratório.  Assim, foram testados 8 derivados da purpurogalina com o objetivo de investigar a atividade leishmanicida frente à Leishmania chagasi. Alguns dos derivados testados não demonstraram qualquer efeito prejudicial para a célula hospedeira, com exceção dos derivados IAS 2 e IAS 5. Na avaliação da atividade direta sobre promastigotas de L. chagasi, os derivados IAS 1 a IAS 6 apresentaram efeito máximo (EM) superior a 70% e CI50 inferior a 15 µM. Tais resultados indicam que os derivados IAS 1 a 6, apresentaram atividade leishmanicida significante, in vitro e, portanto, podem ser considerado candidatos  a avançar na cadeia de estudos de novos agentes leishmanicidas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1358530 - MAGNA SUZANA ALEXANDRE MOREIRA
Interna - 2272670 - ALINE CAVALCANTI DE QUEIROZ
Externa ao Programa - 2395972 - ANA CAROLINA SANTANA VIEIRA
Notícia cadastrada em: 08/07/2021 13:09
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-2.srv2inst1 13/07/2024 13:08