Banca de QUALIFICAÇÃO: DIOGO BRANDÃO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : DIOGO BRANDÃO
DATA : 27/01/2022
HORA: 14:00
LOCAL: https://meet.google.com/grj-pzpw-csu (video conferência)
TÍTULO:

POTENCIAL LEISHMANICIDA DE EXTRATOS DE BACTÉRIAS ISOLADAS DE LIQUENS DA ANTÁRTICA


PALAVRAS-CHAVES:

Atividade leishmanicida, Leishmania, Bactérias Antárticas, Novos fármacos.


PÁGINAS: 65
RESUMO:

As leishmanioses são enfermidades infecto parasitárias, negligenciadas e amplamente distribuídas geograficamente, acometendo milhões de indivíduos em todos os continentes do planeta. O elenco farmacológico disponível para o tratamento de infecções ocasionadas pela leishmanias é limitado e possui toxicidade elevada. Portanto, existe uma busca incessante por novas opções terapêuticas mais seguras e eficazes para o tratamento das leishmanioses. Este estudo teve por objetivo investigar a atividade de candidatos a protótipos de fármacos leishmanicidas a base de extratos bacterianos isolados de liquens Antárticos que constituam opções terapêuticas mais seguras ao tratamento da leishmaniose. As bactérias produtoras de pigmentos foram reativadas em meio Ágar Nutriente a 15ºC por 7 dias e os inocúlos foram padronizados e semeados em 50ml de caldo nutriente. Os metabólitos foram extraídos por centrifugação e separação do pellet o qual foi submetido a lise celular com metanol seguido de vórtex e centrifugação para obtenção dos pigmentos intracelulares.  O ensaio colorimétrico de MTT foi usado para avaliar o efeito de citotoxicidade em macrófagos de linhagem J774.A1. Os extratos 8LB19, 5LB35, 23LB3, 7LB4, 10 AUVB14, 6AUVB13 não mostraram citotoxicidade aos macrófagos exceto o 5AUVB13 que apresentou citoxicidade à célula hospedeira com efeito máximo observado de 38,2 ± 3,7 %. Culturas de promastigotas de L. chagasi e L. amazonensis foram contadas diretamente em microscópio óptico para verificar a atividade leishmanicida. Os cálculos estatísticos foram obtidos no programa GraphPad Prism. Dos extratos metanólicos testados até o presente momento em L. chagasi, 5 AUVB 13 e 6 AUVB 13 exibiram uma potente atividade com efeito máximo de 97,93 ± 1,88%, 96,10 ± 0,01% e CI50 de 18,31 µg/ml (11,22 - 30,47) 22,05 µg/ml (13,51 - 30,59), 7 LB 4 e 23 LB 3 demonstraram atividade abaixo de 50%, com efeito máximo de 32,47 ± 5,19, 16,30 ± 1,88 respectivamente. 8 LB 19, 5 LB 35 e 10 AUVB 14 não foram ativos.   Contra L. amazonensis, 8 LB 19, 5 LB 35 e 10 AUVB 14 não foram ativos; 23 LB 3 e 7 LB 4, contudo, exibiram atividade moderada com efeito máximo de 37,50 ± 1,80 e39,58 ± 4,54, respectivamente. 5 AUVB 13 e 6 AUVB 13 exibiram atividade superior a 50% com os respectivos efeitos máximo de 65,63 ± 1,80 e 60,42 ± 1,04 e CI50 de 52,72 (37,14 - 68,29) e 44,63 (33,61-55,65), com destaque para 5 AUVB 13 E 6 AUVB 13 que se mostraram ativas  em ambas as espécies.  Os ensaios farmacológicos para determinar a atividade leishmanicida ainda serão finalizados bem como a dosagem do óxido nítrico.


MEMBROS DA BANCA:
Interna - 2272670 - ALINE CAVALCANTI DE QUEIROZ
Externo ao Programa - 1506475 - ALYSSON WAGNER FERNANDES DUARTE
Presidente - 1358530 - MAGNA SUZANA ALEXANDRE MOREIRA
Notícia cadastrada em: 21/01/2022 11:00
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-1.srv1inst1 13/07/2024 12:23