Banca de DEFESA: SUSANA PAIVA OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : SUSANA PAIVA OLIVEIRA
DATA : 29/08/2022
HORA: 09:00
LOCAL: Online
TÍTULO:

ESTUDO DE ASSOCIAÇÃO ENTRE OS GENES IL-10, IL-6 E APOE E A HANSENÍASE EM UMA POPULAÇÃO DO AGRESTE DE ALAGOAS


PALAVRAS-CHAVES:

hanseníase, SNPs, IL10, IL6, APOE.


PÁGINAS: 44
RESUMO:

A hanseníase é uma doença infecciosa crônica causada pela bactéria Mycobcterium leprae e afeta principalmente a pele e os nervos periféricos. O Brasil é o segundo país no mundo em número de casos de hanseníase. No período de 2014 a 2019 foram notificados cerca de 164.000 novos casos da hanseníase no país. A região nordeste apresentou em 2015 taxa de incidência da doença (a cada 100.000 habitantes) de 21,53, enquanto Alagoas incidência de 10,57, consideradas taxas de muito alta e alta endemicidade, respectivamente. Apesar disso, ainda não existem estudos publicados investigando os possíveis fatores de risco relacionados à ocorrência da doença na região de Alagoas. Um dos fatores relacionados ao desenvolvimento da hanseníase é o componente genético do hospedeiro, especialmente SNPs em genes relacionados a citocinas da resposta imune na fisiopatologia da doença. Estudos já realizados mostraram associação dos polimorfismos nos genes das citocinas IL-10 e IL-6 e no gene APOE. O objetivo do presente estudo foi investigar associações de genes de citocinas com a hanseníase e verificar a correlação entre os polimorfismos associados e o perfil imuno-inflamatório dos indivíduos. Foi realizado um estudo do tipo caso-controle incluindo pacientes com hanseníase e indivíduos saudáveis recrutados em Arapiraca-AL. Após isso foi realizada a extração de DNA do sangue periférico pelo método de salting-out (ou método de precipitação do DNA). A partir do DNA extraído foi realizada a genotipagem de SNPs nos referidos genes, utilizando ensaios de discriminação alélica por PCR em tempo real. As análises foram realizadas através do modelo de regressão logística, que permite também incluir possíveis co-variáveis que possam introduzir algum tipo de viés nas análises, gerando medidas de associação genética com a hanseníase. Todas as análises serão realizadas em ambiente RComo resultado do recrutamento populacional em Alagoas, obtivemos 422 indivíduos, sendo 158 casos e 264 controles. Nos polimorfismos na população alagoana para o genótipo CT do SNP rs1800871 do gene IL10 observou-se que o genótipo CT foi mais frequente em pacientes (56%) do que no grupo de controles (48%), não demonstrando ser uma diferença significativa, e sendo assim, o polimorfismo não foi associado com a hanseníase nesse determinado modelo (OR= 1.50; p-valor= 0.2; IC= 0.95-2.36; OR: 1.50). O genótipo AG para o SNP rs2069845 do gene IL6 foi frequente em 45% dos casos e 47% dos controles. De acordo com o modelo codominante que avaliou as categorias individuais de genótipos e comparando a frequência em casos e controles, observou-se que não há diferença estatisticamente significativa entre essas frequências (OR= 0.73; IC= 0.45-1.17; p-valor= 0.11), não havendo associação com a hanseníase.  Os resultados irão contribuir de forma significativa para o entendimento da influência genética na hanseníase, possibilitando enriquecer um painel de marcadores preditivos ao desenvolvimento da doença na população de Alagoas e do Brasil.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2269479 - CAROLINNE DE SALES MARQUES
Interna - 1345072 - JAMYLLE NUNES DE SOUZA FERRO
Externa à Instituição - ANA CAROLINE MELO DOS SANTOS
Notícia cadastrada em: 10/08/2022 14:31
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-2.srv2inst1 13/07/2024 13:24