Banca de DEFESA: MARIANE SOARES VIEGAS MOURA REZENDE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARIANE SOARES VIEGAS MOURA REZENDE
DATA : 27/07/2023
HORA: 14:00
LOCAL: Instituto de Ciências Farmacêuticas
TÍTULO:

IMPACTO DA HIPOVITAMINOSE D NA FISIOPATOGENIA DA PITIRÍASE ALBA EM ADULTOS


PALAVRAS-CHAVES:

Pitiríase alba. Eczemátide. Vitamina D. Nível sérico. Hipopigmentação.
1,25(OH)Vitamina D. Diferenciação celular. Melanogênese. Melanócitos. Fisiopatogenia.

 


PÁGINAS: 71
RESUMO:

Introdução: A Pitiríase Alba (PA) é uma afecção cutânea caracterizada por manchas
assintomáticas, hipopigmentadas e, levemente escamosas, com margens indistintas. A etiologia da
PA não está bem estabelecida. A vitamina D exerce o seu efeito através de um receptor nuclear
presente principalmente nas células envolvidas no metabolismo do osso; estes receptores também
estão presentes em outros tipos de células, na pele como nos melanócitos, queratinócitos, células do
sistema imunológico e fibroblastos. O cálcio controla a atividade da tiorredoxina redutase que é
citosólica e associada à membrana plasmática. Se o nível de cálcio intracelular diminuir, isso levará
a altos níveis de tiorredoxina reduzida, que, por sua vez, inibem a atividade da tirosinase, resultando
finalmente na inibição da síntese da melanina. Objetivo: Existem poucos estudos correlacionando o
efeito da hipovitaminose D com a patogênese da PA, portanto, o objetivo do nosso estudo foi
correlacionar a hipovitaminose D com a fisiopatogenia da PA. Pacientes e métodos:Tratou-se de
um estudo caso-controle, aberto e não randomizado, onde foram selecionados 9 pacientes acima de
18 anos com PA diagnosticados clinicamente nos ambulatórios de Dermatologia Clínica do CER III
do PAM Salgadinho em Maceió, em um período de 6 meses. O grupo controle foi constituído por 9
pacientes não afetados por PA ou quaisquer outras desordens hipopigmentadas. Amostras de sangue
foram coletadas de ambos os grupos (casos e controles) e os níveis séricos de 25 (OH) D circulantes
foram medidos. Variáveis primárias analisadas foram os níveis séricos de vitamina D, número e
tamanho das lesões, grau de despigmentação e/ou presença de eritema, região afetada e
sintomatologia presente. As variáveis secundárias foram perfil demográfico dos pacientes e as
variáveis terciárias foram os hábitos relacionados ao banho. Os cálculos foram realizados através do
software BIOESTAT v.5.3 e pelo teste “T”de duas amostras. Os dados foram estatisticamente
analisados com o teste U de Mann-Whitney,o Teste qui-quadrado e o Teste de Fischer para as
variáveis primárias, secundárias e terciárias, respectivamente. Foi utilizado o valor de alfa igual ou
menor que 0,05 para rejeitar a hipótese de nulidade. Resultados: Os resultados da avaliação de
vitamina D entre os casos demonstrou que nenhum deles tinha nível suficiente de vitamina D e o
nível variou entre 11,1-27,5 ng/ml (média: 19,666 ± 5,099 ng/ml). Cinco pacientes (55,5%)
apresentavam deficiência e quatro pacientes (44,4%) tinham insuficiência. No grupo controle, o
nível variou de 11,3 a 44,7 ng/ml (média: 31,777 ± 10,195 ng/ml). Apenas 01 paciente do grupo
controle (11,1%) tinha deficiência de vitamina D, 03 (33,3%) eram insuficientes e 5 (55,5%) tinha
suficiência. Comparando os níveis de vitamina D de ambos os grupos, houve diferença
estatisticamente significativa (p = 0,0071). No grupo caso, 3 dos 4 pacientes com grau de
hipocromia intensa tinham níveis deficientes de vitamina D, sendo 1 insuficiente. Além disso, dos 6
pacientes com mais de 5 lesões de PA, metade tinha vitamina D deficiente e a outra metade níveis de
insuficiência. A única paciente com mais de 10 lesões, tinha nível sérico deficiente de vitamina D. Conclusões: A associação entre hipovitaminose D com a ocorrência e gravidade da PA em adultos éum achado relevante, pois sugere que a suplementação de vitamina D pode ser uma opção terapêutica para essa condição.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1547952 - EURICA ADELIA NOGUEIRA RIBEIRO
Interno(a) - 1974414 - OLAGIDE WAGNER DE CASTRO
Externo(a) ao Programa - 3509820 - MARIA ALINE BARROS FIDELIS DE MOURA
Notícia cadastrada em: 24/07/2023 13:23
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-4.srv4inst1 13/07/2024 12:13