Banca de DEFESA: RUTINÉIA MACÁRIO DE FARIAS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RUTINÉIA MACÁRIO DE FARIAS
DATA : 05/04/2022
HORA: 14:00
LOCAL: VIDEOCONFERÊNCIA VIA GOOGLE MEET
TÍTULO:

PROPOSTAS DE ENSINO DE CIÊNCIAS E DE ENSINO DE MATEMÁTICA A PARTIR DE INVENÇÕES CIENTÍFICO-TECNOLÓGICAS DE MULHERES NEGRAS: CONTRIBUTOS PARA UMA PEDAGOGIA ANTIRRACISTA, ANTISSEXISTA E ANTIEPISTEMICIDA


PALAVRAS-CHAVES:

Mulheres negras; Invenções Científico-tecnológicas; Ensino de Ciências; Ensino de Matemática; Ensino Antirracista, Antissexista e Antiepistemicida.


PÁGINAS: 147
RESUMO:

Esse estudo se concentrou no desenvolvimento de um produto técnico-tecnológico no formato de uma sequência didática. Essa teve como questão motriz a seguinte indagação: que propostas de ensino de ciências e de ensino de matemática podem ser desenvolvidas a partir de invenções científico-tecnológicas de mulheres negras? Do ponto de vista geral, objetivamos com essa pesquisa investigar invenções científico-tecnológicas desenvolvidas por mulheres negras, com foco em seu potencial pedagógico para o ensino de ciências e para o ensino de matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental. De modo específico, delineamos os seguintes objetivos: a) explorar as possibilidades e os limites do desenvolvimento e da aplicação de propostas de ensino de ciências antirracistas; b) mapear invenções científico-tecnológicas produzidas por mulheres negras; c) desenvolver propostas de ensino de ciências e de ensino de matemática para turmas dos anos iniciais do Ensino Fundamental, centradas em invenções científico-tecnológicas produzidas por mulheres negras. Para a atualização desses objetivos, realizamos um estudo teórico-bibliográfico acerca de como o Estado, dentro da sociedade capitalista, se organiza para promover o epistemicídio de saberes decoloniais no currículo escolar; exploramos evidências do legado científico-tecnológico de povos colonizados e que foram vítimas da pilhagem epistêmica e do epistemicídio; e, com vistas ao apontamento de alternativas pedagógicas antirracistas, antissexistas e antiepistemicidas, desenvolvemos uma sequência didática que, em função das condições objetivas impostas pela Pandemia do COVID-19, não foi possível aplicar in loco, mas que nos favoreceu pensar uma outra sociedade em diálogo com o feminismo negro, sobremaneira a partir do prisma da intersecionalidade de gênero, raça e classe. Assim, apresentamos a sequência didática produzida enquanto produto técnico-tecnologico cuja potência didático-epistemológica visa a construção de um pensamento pedagógico antirracista, antissexista e antiepistemicida. Tratam-se de ideias que, uma vez ajustadas a realidade de cada contexto escolar e/ou universitário, podem contribuir para a formação de uma sociedade mais igualitária.

.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 4725102 - IVANDERSON PEREIRA DA SILVA
Interno - 1120572 - JENNER BARRETTO BASTOS FILHO
Externo à Instituição - CLÁUDIO GALVÃO DE SOUZA JÚNIOR
Notícia cadastrada em: 29/03/2022 10:11
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-1.srv1inst1 22/05/2024 03:09