PPGCF PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Telefone/Ramal: (82) 32141792

Banca de DEFESA: AUBERT KRISTHIAN SANTOS ALVES



Uma banca de DEFESA DE MESTRADO foi cadastrada pelo programa.

DISCENTE: AUBERT KRISTHIAN SANTOS ALVES
DATA: 08/06/2020
HORA: 09:00
LOCAL: VídeoConferência
TÍTULO:

Influência da Aplicação Tópica do Gel de Própolis Vermelha Alagoana na Progressão da Periodontite Experimental em Ratos


RESUMO:

As doenças periodontais compreendem patologias que causam a destruição progressiva de tecidos de sustentação e proteção dentária em indivíduos suscetíveis. Diversos agentes químicos têm sido usados como coadjuvantes para inibir a formação do biofilme oral e impedir a progressão da doença periodontal. Este estudo avaliou radiograficamente a ação da própolis vermelha no desenvolvimento da doença periodontal induzida por ligadura em ratos. O extrato etanólico de própolis vermelha alagoana foi caracterizado por UPLC-DAD e sua citotoxicidade foi testada  em macrófagos J774.A1. Quarenta e dois ratos Wistar, divididos em grupos (n=6): Grupo C (sem tratamento); Grupo G (Gel - aplicação de gel a base de natrosol puro); Grupo CHX (Clorexidina - gel de clorexidina a 2%); Grupo PV10 (Gel de Própolis Vermelha a 10 mg/ml); Grupo PV15 (Gel de Própolis Vermelha a 15 mg/ml); Grupo PV10+CHX (Gel Própolis Vermelha 10 mg/ml + Clorexidina a 2%); Grupo PV15+CHX (Gel de Própolis Vermelha 15 mg/ml + Clorexidina a 2%) foram usados no estudo. Os géis foram aplicados diariamente, a partir da inserção da ligadura, por um período de 15 dias. Decorrido o tempo experimental, os animais foram eutanasiados e foram realizadas análises radiográficas por tomografia computadorizada cone beam para medir o suporte ósseo periodontal. Os valores obtidos passaram por análise de variância (ANOVA) seguida por post-hoc de Tukey. Os resultados obtidos indicaram a presença de flavonoides anti-inflamatórios e imunomoduladores, como a liquiritigenina, daidzeína, formononetina, isoliquiritigenina, pinobanksina, biochanina A e pinocembrina. O teste de citotoxicidade demonstrou a própolis vermelha alagoana como não tóxica em concentrações de até 10 µg/ml. A avaliação tomográfica evidenciou perda óssea significantemente menor (p<0,05) nos grupos que utilizaram própolis vermelha em relação ao controle e veículo, ao passo que não houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos experimentais. Em conclusão, a aplicação de gel com própolis vermelha alagoana demonstrou efeito protetor para a reabsorção óssea decorrente de periodontite experimental similar à clorexidina, sendo um potencial agente terapêutico no manejo da doença periodontal.

 


PALAVRAS-CHAVE:

Própolis. Periodontia. Reabsorção Óssea.Doenças Periodontais


PÁGINAS: 60
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
SUBÁREA: Periodontia

MEMBROS DA BANCA:
Externo(a) ao Programa - 1357094 - ANA REGINA OLIVEIRA MOREIRA
Presidente - 1885138 - ISABEL CRISTINA CELERINO DE MORAES PORTO
Externo(a) ao Programa - 4071818 - LUIZ ALEXANDRE MOURA PENTEADO
Interno(a) - 1488396 - TICIANO GOMES DO NASCIMENTO
Notícia cadastrada em: 04/06/2020 16:04
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-3.srv3inst1 20/05/2024 00:51