PPGCF PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Telefone/Ramal: (82) 32141792

Banca de QUALIFICAÇÃO: EMANOEL GUILHERMINO DA SILVA JUNIOR

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : EMANOEL GUILHERMINO DA SILVA JUNIOR
DATA : 16/01/2024
HORA: 15:30
LOCAL: Sala 205
TÍTULO:

ESTUDO DE SAZONALIDADE DO EXTRATO HIDROALCÓOLICO DA PRÓPOLIS MARROM-ESVERDEADA DE UNIÃO DOS PALMARES E PADRONIZAÇÃO DE CLAE-DAD PARA QUANTIFICAR SEUS MARCADORES FENÓLICOS


PALAVRAS-CHAVES:

Própolis marrom-esverdeada de União dos Palmares; Variabilidade sazonal; Atividades biológicas


PÁGINAS: 120
RESUMO:

A própolis é uma substância natural pegajosa, viscosa e com odor característico. Ela detém as atividades anti-inflamatória, antiviral, antibacteriana, antiparasitária, estíptica, adstringente, fitoinibitória, fitotóxica, antioxidante, imunoestimulante, hepatoprotetora, citotóxica, anticâncer, antialérgica, antifúngica, antiprotozoária, analgésica e antinociceptiva. A própolis marrom manifesta perfis químicos altamente variáveis ao longo do território brasileiro, o que sucede também, por consequência, com a sua atividade biológica. A própolis tem seu perfil químico modificado como resultado de um sinergismo de fatores ambientais tais como luz solar, temperatura, umidade, precipitação, fertilidade do solo e salinidade. Portanto, destaca-se a necessidade do aprimoramento contínuo da estratégia para controle de qualidade da própolis, com o objetivo de a padronizar. Este estudo teve por objetivo elucidar a variação sazonal de parâmetros de qualidade da própolis marrom-esverdeada (PMUP) do município alagoano de União dos Palmares-Alagoas-Brazil. A CLAE-DAD confirmou a pinocembrina como o composto bioativo mais abundante da PMUP. Ademais, artepillin-C, pinobanksina, pinostrobina, galangina e crisina constituíram marcadores cujas concentrações se mostraram relativamente altas neste produto apicêutico. O teor médio de compostos fenólicos totais, considerando todos os meses pesquisados, consistiu em 81,1 ± 26,05 mg EAG/g; o teor médio de flavonoides totais, 38,45 ± 10,10 mg EQ/g. Ambos os resultados estão acima da concentração verificada em outros tipos de própolis marrom do Brasil. A concentração média de flavanonas e dihidroflavonóis totais na PMUP foi 1,59 ± 0,24 mg EP/20 mg o correspondente a 7,95% de flavononas e flavononois. A CI50 média dos 12 meses, no ensaio químico de DPPH•, foi 47,72 ± 13,02 µg/mL, a qual se pode classificar como boa, superando a capacidade de sequestro de outras própolis marrons brasileiras. O teste de microdiluição em caldo revelou que as bactérias Gram-positivas foram mais sensíveis à PMUP que a bactéria Gram-negativa. O mês de janeiro de 2021, em que se verificou um pico de concentração de flavonoides totais, foi aquele no qual a PMUP apresentou maior capacidade de inibir o crescimento de todas as cepas testadas. As CIMs obtidas foram as seguintes: 64-256 µg/mL para S. aureus; 256-1024 µg/mL para E. faecalis; 64-128 µg/mL para E. coli; e 64-256 µg/mL para C. albicans. Em todos os ensaios químicos constatou-se variação bimodal, que compunha frequentemente dois ciclos de quatro meses com alto teor de metabólitos ativos e capacidade de sequestro de radicais DPPH•. A PMUP mostrou-se uma fonte rica de compostos bioativos, cuja gama de ação é abrangente. Os ensaios in vitro revelaram o potencial farmacológico do opoterápico, visto que seus resultados permanecem significativos mesmo durante os períodos de menor teor de metabólitos.


MEMBROS DA BANCA:
Interno(a) - 1885138 - ISABEL CRISTINA CELERINO DE MORAES PORTO
Externo(a) à Instituição - JOSE ROBERTO DE OLIVEIRA FERREIRA - UNCISAL
Externo(a) à Instituição - Salvana Priscylla Manso Costa - UFAL
Notícia cadastrada em: 16/01/2024 13:50
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-2.srv2inst1 19/05/2024 23:12