PPGCF PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Telefone/Ramal: (82) 32141792

Banca de DEFESA: LALESKA BARROS CASTRO DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LALESKA BARROS CASTRO DOS SANTOS
DATA : 12/04/2021
HORA: 09:00
LOCAL: Vídeoconferência
TÍTULO:

Co-terapia própolis vermelha de Alagoas e Glucantime®: avaliação clínica nas leishmanioses


PALAVRAS-CHAVES:

Leishmaniose tegumentar, Leishmaniose visceral, Glucantime®, Própolis


PÁGINAS: 75
RESUMO:

A leishmaniose é uma doença negligenciada que segundo o agente etiológico pode se apresentar como Leishmaniose Tegumentar (LT) e visceral (LV). Para ambas a Organização Mundial de Saúde (OMS) preconiza o uso de antimoniais (no Brasil, o Glucantime®) como medicamento de primeira escolha, apesar de apresentar alguns inconvenientes, como longo período de tratamento, via de administração parenteral e incidência de efeitos colaterais. Daí a importância da busca por alternativas na quimioterapia das leishmanioses. Assim, o projeto tem por objetivo a investigação clínica da co-terapia, propólis vermelha de Alagoas PVA (administração oral) associada ao Glucantime® em pacientes portadores de LT e LV. O estudo foi dividido em dois grupos, controle (GE-LTA e GE-LVA) para pacientes de LT e LV em uso do Glucantime® e os pacientes que fizeram o uso da PVA em co-terapia com Glucantime® (GE-LTAB e GE-LVAB). Foram analisadas as variáveis: sexo, faixa etária, procedência, tempo de cicatrização das lesões, marcadores plasmáticos (AST e ALT) e biomarcadores da função renal (ureia e creatinina). Pacientes com LV foram avaliados os mesmos marcadores, biomarcadores, além dos marcadores hematológicos (hematócritos, leucócitos, linfócitos e plaquetas), redução do tamanho das vísceras, fígado e baço. O extrato de PVA foi previamente caracterizado de acordo com o Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Foram admitidos no estudo 20 pacientes com LT, 70% do sexo masculino e maioria na faixa de 20 a 59 anos, procedentes da 3ª R.S. A cicatrização das lesões do grupo GE-LTAB se destacou por apresentar menor tempo de cicatrização quando comparado com o grupo controle. Os marcadores e biomarcadores, não apresentaram diferença entre os grupos. Os pacientes de LV, 75% eram do sexo masculino e a maioria eram menores de 20 anos, procedentes das 7ª e 8ª R.S. Os marcadores como ALT e AST, no grupo GE-LVA estavam alterados e no grupo GE-LVAB se manteve dentro da normalidade. Os biomarcadores não apresentaram diferença entre os grupos e o mesmo ocorreu com os marcadores hematológicos. A redução das vísceras foi maior no grupo GE-LVAB. Esse estudo mostrou redução mais acentuada das vísceras no grupo que fez uso da própolis.


MEMBROS DA BANCA:
Interna - 1527220 - CAMILA BRAGA DORNELAS
Externa ao Programa - 1119107 - CELIA MARIA SILVA PEDROSA
Externo à Instituição - FERNANDO DE ARAUJO PEDROSA - UFAL
Interno - 1653558 - LUCIANO APARECIDO MEIRELES GRILLO
Notícia cadastrada em: 05/04/2021 20:22
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-4.srv4inst1 20/05/2024 00:11