PPF PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA INSTITUTO DAS CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES Telefone/Ramal: Não informado

Banca de QUALIFICAÇÃO: JESSICA BAETA DE AZEVEDO CARVALHO



Uma banca de QUALIFICAÇÃO DE MESTRADO foi cadastrada pelo programa.

DISCENTE: JESSICA BAETA DE AZEVEDO CARVALHO
DATA: 16/09/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Maceio
TÍTULO:

ENTRE FILOSOFIA E PSICANÁLISE: O PROBLEMA DA GÊNESE DO EU NA METAPSICOLOGIA FREUDIANA


RESUMO:

O problema da gênese do eu assumiu desde muito cedo um papel central nos escritos metapsicológicos de Freud sobre organização da vida anímica. Em suas primeiras formulações, a dinâmica de funcionamento dos processos psíquicos se particulariza em uma condição de insuficiência estrutural, correlata ao fato da prematuração orgânica. Esta condição, que deriva sobretudo da ausência de um objeto de satisfação a priori, sublinha a precariedade de recursos da qual o aparelho psíquico, ainda em vias de constituição, dispõe para inibir os estados de carência orgânica sem desencadear processos de natureza alucinatória. Esta é uma proposição bastante antiga no conjunto das teses psicanalíticas, a qual remonta ao manuscrito de 1895, intitulado Projeto de uma psicologia. Neste cenário teórico, a condição de debilidade inicial do psiquismo constitui uma consequência direta da inexistência originária do eu, cuja formação é atribuída às repercussões das repetições dos estados de carência orgânica sobre as primeiras experiências de satisfação do psiquismo. Por certo, aqui se encontra um problema de difícil resolução, que consiste na indeterminação dos processos através dos quais se realiza a conversão do somático em psíquico. A análise deste problema assume contornos ainda mais complexos em 1905, com a publicação de Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. Para Freud, já na época em que a satisfação sexual se realiza no apoio das funções que servem a conservação da vida, o psiquismo dispõe dos recursos necessários para formar uma representação psíquica do objeto que confere as primeiras experiências de satisfação. O manuscrito de 1914, intitulado Introdução ao narcisismo, todavia, parece contradizer esta proposição. Considerando que a formação do eu é posterior ao autoerotismo, não se sabe ao certo como é possível para o aparelho psíquico constituir uma representação, posto que essa é uma das funções por excelência da instância do eu. Neste impasse se encontra um paralelo importante entre o Projeto e os Três ensaios: em ambos os casos, fica-se com a impressão de que o desenvolvimento do eu se apresenta como um processo inevitável. Ao que parece, a emergência dessa instância, e de suas respectivas funções, já se encontram pressupostas no cenário que, via de regra, seria o de sua formação. Estas considerações nos conduzem a hipótese que de que o argumento freudiano sobre a formação do eu assume previamente a sua existência para, desta forma, explicar o seu surgimento. Não seria essa a própria definição de uma petição de princípio? Isto é, a defesa de um argumento cuja conclusão já se encontra pressuposta no encadeamento de suas premissas? Eis aqui o problema filosófico que orienta nossa proposta de investigação: uma análise crítica dos fundamentos teóricos e conceituais das teses sobre a gênese do eu, e de seus desdobramentos no decorrer da metapsicologia freudiana. O escopo desta investigação se insere nos propósitos da linha de pesquisa Subjetividade e sociedade, e particulariza uma crítica filosófica da psicanálise a partir da perspectiva da filosofia da psicanálise. Estudaremos esta questão com base nas ferramentas metodológicas da pesquisa bibliográfica e da análise de conteúdo. O percurso metodológico proposto neste projeto de pesquisa se fundamenta em cinco etapas distintas e complementares: I. Levantamento bibliográfico; II. Elaboração do roteiro de leitura da bibliografia; III. Levantamento das informações contidas na bibliografia; IV. Categorização das informações coletadas; e V. Tratamento das informações – inferência e interpretação.


PALAVRAS-CHAVE:

Freud; Metapsicologia; gênese do Eu; Filosofia da Psicanálise.


PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Filosofia
SUBÁREA: Epistemologia

MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1505614 - RODRIGO BARROS GEWEHR
Interno(a) - 1822493 - CRISTINA AMARO VIANA MEIRELES
Externo(a) à Instituição - FATIMA CAROPRESO - UFJF
Externo(a) à Instituição - HELIO HONDA - UEM
Notícia cadastrada em: 07/08/2020 09:08
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-1.srv1inst1 24/05/2024 20:39