PPF PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA INSTITUTO DAS CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES Telefone/Ramal: Não informado

Banca de DEFESA: DANILO DOS SANTOS CALHEIROS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : DANILO DOS SANTOS CALHEIROS
DATA : 30/07/2021
HORA: 09:00
LOCAL: Curso de Filosofia-UFAL (evento remoto:meet.google.com/ecb-qyds-wfa)
TÍTULO:

A dúvida hiperbólica cartesiana como um possível experimento de pensamento filosófico.


PALAVRAS-CHAVES:

Descartes. Ceticismo. Experimento de pensamento. Dúvida hiperbólica.


PÁGINAS: 144
RESUMO:

Defendemos nesta pesquisa que a dúvida hiperbólica cartesiana é um experimento de pensamento filosófico. O entendimento de grandes filósofos que utilizamos para este estudo, muitos inclusive especialistas do cartesianismo - para não falar da interpretação genial feita por Martial Gueroult - nos fornece um referencial teórico/filosófico e crítico suficientemente digno para tal concepção defendida por nós ao longo desta investigação. Longe de ser uma dúvida executada empiricamente, ela é uma dúvida que deve ser experienciada apenas no “laboratório da mente” do leitor, e que, portanto, deve-se restringir ao campo do saber filosófico. Uma dinâmica encontrada no processo investigativo que nos permitiu chegar a uma melhor compreensão da dúvida cartesiana, foi ajustar este referencial dos intérpretes de Descartes ao nível de compreensão dos importantes estudiosos que tratam da epistemologia dos experimentos de pensamento na filosofia contemporânea. No entanto, para que pudéssemos chegar a este resultado, tivemos que fazer ao longo desta investigação, um regresso “penoso”, entretanto, necessário, que nos fizeram remontar a milênios para distinguir o ceticismo antigo do novo ceticismo moderno inaugurado por Descartes. Este trajeto nos possibilitou obter uma interpretação coerente de como se deve entender a Primeira Meditação. Ela se caracteriza como um tipo de filosofia atitudinal, o que demonstra que ao invés de uma teoria descritiva ou discursiva encontrada nesta Meditação, o que temos efetivamente é uma posição ativa por parte de quem medita: ela é como uma partitura musical que precisa ser executada. Portanto, o experimentador do pensamento avaliou criticamente e ordenadamente todas as implicações que lhe foram introduzidas no cenário cético, e o que resultou desta manipulação mental foi o encontro dele consigo mesmo: o conhecimento da contemporaneidade entre o pensar e o existir. A dúvida cartesiana é uma ferramenta que não se integra à obra acabada, embora seja imprescindível para sua construção. Sua realização se delineia entre contraposições no pensamento e não entre forças que operam na realidade concreta. A dúvida se constitui como um método, uma percepção simulada voluntariamente. Eficiente e teórica, ela deve funcionar por um período de tempo na esfera lógica, mas deve-se em seguida ser gradativamente extinta.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2996659 - JULIELE MARIA SIEVERS
Interno - 1640535 - JOAO CARLOS NEVES DE SOUZA E NUNES DIAS
Externo à Instituição - JAIMIR CONTE - UFSC
Notícia cadastrada em: 12/07/2021 14:24
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-3.srv3inst1 24/05/2024 20:29