PPGA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA CAMPUS DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS AGRÁRIAS Telefone/Ramal: 99953-0176

Banca de QUALIFICAÇÃO: HIPOLYANA SIMONE DE OLIVEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : HIPOLYANA SIMONE DE OLIVEIRA
DATA : 02/02/2024
HORA: 09:00
LOCAL: Plataforma de vídeo conferência Google Meet
TÍTULO:

Germinação e recrutamento de espécies florestais em fragmentos de Mata Atlântica


PALAVRAS-CHAVES:

temperatura alternada, estresse hídrico e sementes florestais


PÁGINAS: 30
RESUMO:

A capacidade de germinação de sementes florestais em ambientes sujeitos a maior radiação solar, estresse hídrico e temperaturas mais elevadas é fundamental para garantir a regeneração florestal e o estabelecimento de plântulas em clareiras e áreas de borda. O presente estudo tem como objetivo avaliar a germinação de sementes e o estabelecimento de plântulas de espécies ocorrentes em fragmentos florestais da Mata Atlântica nordestina. Para esta qualificação, apresentamos uma revisão da literatura (referencial teórico geral) e os resultados dos experimentos de germinação (primeiro capítulo da tese). Neste capítulo, especificamente, avaliamos o efeito da alternância de temperatura e do potencial hídrico na germinação de sementes de algumas espécies nativas da Mata Atlântica ocorrentes em fragmentos do estado de Alagoas. As sementes de Miconia albicans e Eschweilera ovata foram coletadas em fragmentos florestais na região da usina Utinga (Rio Largo), enquanto Miconia cilliata e Myrcia guianensis foram coletadas em áreas de restinga e mata de tabuleiro (RPPN Reserva da Bica, Japaratinga). Sementes de Myrciaria floribunda e Schinus terebinthifolius foram coletadas em cultivo/área urbana. Nos testes de germinação, as sementes foram dispostas em placas de Petri autoclavadas, sobre duas folhas de papel filtro umedecidas com água destilada. As sementes foram submetidas a dois experimentos: (1) temperatura constante (25°C) x temperatura alternada (25 a 40°C) e (2) efeito do estresse hídrico na germinação (Ψ = 0, -0.4, -0.8, -1.2 MPa). Quanto ao efeito da alternância de temperatura, houve diminuição significativa da germinação nas sementes de Miconia cilliata e na Myrcia guianensis; as demais espécies não apresentaram diferença significativa em relação aos controles. As respostas encontradas sugerem variação de acordo com a espécie do estudo em relação ao regime de temperaturas, podendo a alternância térmica atingindo 40°C diminuir a G% em alguns casos, ou afetar de diferentes maneiras o tempo/velocidade de germinação. Já em relação ao estresse hídrico, todas as espécies diferiram do controle aos 30 dias de observação, apresentando germinação praticamente nula com a redução do Ψ. Após o alívio do estresse, aos 60 dias de observação, as sementes de algumas espécies (Myciaria floribunda e Miconia albicans) foram capazes de atingir porcentagens de germinação iguais às dos respectivos controles. A retomada da capacidade germinativa após o alívio do estresse pode ser uma importante estratégia ecológica das sementes para sobreviver e colonizar áreas de bordas de mata e ambientes abertos, incluindo as restingas e áreas sujeitas a um maior déficit hídrico no mosaico de tipos vegetacionais compreendidos no domínio da Mata Atlântica.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2187545 - FLAVIA DE BARROS PRADO MOURA
Interno(a) - 3145739 - JOAO LUCIANO DE ANDRADE MELO JUNIOR
Interno(a) - 2073816 - RENAN CANTALICE DE SOUZA
Externo(a) ao Programa - 1181648 - JOSE VIEIRA SILVA - UFALExterno(a) à Instituição - DIEGO FERNANDO ESCOBAR ESCOBAR - UNESP
Notícia cadastrada em: 18/01/2024 11:37
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-3.srv3inst1 21/04/2024 20:40