PPGA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA CAMPUS DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS AGRÁRIAS Telefone/Ramal: 98874-6270

Banca de DEFESA: LUIS EUGENIO LESSA BULHOES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LUIS EUGENIO LESSA BULHOES
DATA : 24/02/2022
HORA: 09:00
LOCAL: Virtual google meet
TÍTULO:

SITUAÇÃO DE RESISTÊNCIA DE ARROZ DANINHO A HERBICIDAS NO BAIXO SÃO FRANCISCO


PALAVRAS-CHAVES:

Oryza sativa L.; imidazolinonas; Clearfield


PÁGINAS: 59
RESUMO:

O arroz é um dos principais cereais produzidos e consumidos no mundo. Todavia, essa atividade enfrenta uma série de gargalos, com destaque para a competição de plantas daninhas. Para lidar com esse problema, estratégias de manejo foram desenvolvidas, como o sistema de produção de arroz Clearfield®. No entanto, o uso contínuo de um mesmo mecanismo de ação para o controle de plantas daninhas, pode levar ao desenvolvimento de populações de plantas daninhas resistentes. Nesse sentido, esse estudo objetivou identificar a presença de arroz daninho resistente a esse sistema de produção na região do Baixo São Francisco, importante região produtora desse cereal. Para tanto, 7 populações de arroz daninho, sendo 5 em áreas de produção com o sistema Clearfield® e 2 em área sem utilização desse sistema, juntamente com uma variedade de arroz resistente e outra não resistente aos herbicidas do sistema Clearfield® foram submetidas a ensaios de aplicação de diferentes dosagens de imazapir e imazapique em três experimentos, no qual avaliou-se a % de controle das populações e % massa seca relativa. Os resultados demonstraram a ocorrência de interação entre as populações de arroz e as doses aplicadas de herbicida em pós-emergência para ambas as variáveis analisadas. Contudo, embora a aplicação tenha refletido na redução da % de massa seca relativa e no controle dessas populações, observou-se que algumas destas, P3, P4 e P5, não foram controladas em 100% mesmo com a aplicação de 200% da dose recomendada desse herbicida. Ainda, em duas populações do F1 da P7 e P8, a aplicação de imazapir e imazapique, mesmo em dosagem 24 vezes superior a dose recomendada não propiciou o controle total, indicando o elevado grau de resistência presente. Nessa conjuntura, torna-se necessário o desenvolvimento de estratégias que visem retardar a evolução de novos casos de resistência na região do Baixo São Francisco. 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1790454 - GUILHERME BASTOS LYRA
Interno - 332.041.954-49 - JORGE LUIZ XAVIER LINS CUNHA - UFERSA
Interno - 2073816 - RENAN CANTALICE DE SOUZA
Externo ao Programa - 3120389 - CICERO LUIZ CALAZANS DE LIMA
Externo ao Programa - 2700913 - HUGO HENRIQUE COSTA DO NASCIMENTO
Notícia cadastrada em: 23/02/2022 12:53
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2022 - UFAL - sig-app-2.srv2inst1 01/07/2022 19:24