PPGPP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROTEÇÃO DE PLANTAS CAMPUS DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS AGRÁRIAS Telefone/Ramal: 99963-8987

Banca de QUALIFICAÇÃO: VALDEMIR ALBUQUERQUE DA SILVA JÚNIOR

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : VALDEMIR ALBUQUERQUE DA SILVA JÚNIOR
DATA : 29/02/2024
HORA: 14:00
LOCAL: Webconferência
TÍTULO:

ADAPTABILIDADE DIFERENCIAL ENTRE ISOLADOS DE Bean
golden mosaic virus E Macroptilium yellow spot virus AOS
HOSPEDEIROS FEIJÃO COMUM (Phaseolus vulgaris), FEIJÃO-
FAVA (P. lunatus) E AO VETOR Bemisia tabaci


PALAVRAS-CHAVES:

Geminiviridae, begomovírus, Bemisia tabaci


PÁGINAS: 56
RESUMO:

Dentre os diversos problemas fitossanitários que afetam a cultura dos
feijoeiros, destacam-se as begomoviroses. Diversas espécies foram
relatadas infectando naturalmente estes hospedeiros, porém Bean golden
mosaic virus (BGMV) e Macroptilium yellow spot virus (MaYSV) são de
maior importância econômica no Brasil. Os begomovírus são membros da
família Geminiviridae, a qual engloba vírus contendo um genoma de
DNA circular de fita simples, encapsidados em partículas icosaédricas
geminadas. Esses begomovírus são transmitidos pela mosca-branca
Bemisia tabaci e são responsáveis por induzir doenças de significativa
relevância econômica em diversas culturas, sobretudo em regiões
tropicais e subtropicais. A adaptação diferencial do BGMV e MaYSV em
feijoeiros continua sendo um aspecto não esclarecido, demandando
estudos e pesquisas adicionais para obter uma compreensão mais
aprofundada desse processo. Neste contexto, o presente estudo teve como
objetivo examinar a adaptabilidade dos vírus BGMV e MaYSV, bem
como a eficácia de sua transmissão pelo inseto vetor em feijão-comum e
fava. Experimentos foram conduzidos com clones infecciosos dos vírus
BGMV e MaYSV em plantas de feijão comum e feijão-fava, utilizando
diferentes métodos de infecção. Os resultados revelaram que o
bombardeamento foi mais eficaz no estabelecimento da infecção viral do
que a agroinoculação. Plantas com sintomas de infecção por ambos os
vírus tinham componentes genômicos DNA-A e DNA-B, enquanto as
plantas assintomáticas possuíam apenas o DNA-A. Em infecções mistas,
as plantas infectadas com ambos os vírus exibiram sintomas mais graves
em comparação com infecções simples. Esses resultados evidenciam a 

complexidade das interações entre os vírus e as plantas hospedeiras,
fornecendo informações valiosas para o entendimento dos mecanismos
subjacentes à infecção viral. Para abordar a hipótese sobre qual vírus está
mais adequadamente adaptado a ambos os hospedeiros, serão conduzidos
experimentos de transmissão e análise da carga viral.


MEMBROS DA BANCA:
Interno(a) - 1065779 - ADRIANO MARCIO FREIRE SILVA
Externo(a) ao Programa - 3339094 - MAYRA MACHADO DE MEDEIROS FERRO - nullPresidente - 2149632 - SARAH JACQUELINE CAVALCANTI DA SILVA
Notícia cadastrada em: 19/12/2023 13:15
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-1.srv1inst1 22/05/2024 02:23