PPGPP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROTEÇÃO DE PLANTAS CAMPUS DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS AGRÁRIAS Telefone/Ramal: 99963-8987

Banca de QUALIFICAÇÃO: LÍVIA FRANCYNE GOMES CHAVES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LÍVIA FRANCYNE GOMES CHAVES
DATA : 31/08/2021
HORA: 14:00
LOCAL: Google Meet
TÍTULO:

Espécies de begomovírus infectando Cnidoscolus urens e estudo da transmissão de Cnidoscolus mosaic leaf deformation virus por semente


PALAVRAS-CHAVES:

Plantas não-cultivadas; Euphorbiaceae; transmissibilidade


PÁGINAS: 72
RESUMO:

Espécies do gênero Begomovirus (família Geminiviridae) ocasionam prejuízos em culturas de importância econômica ao redor do mundo. No entanto, hospedeiros selvagens/não-cultivados desempenham um papel epidemiológico relevante, atuando como reservatório viral. Estes vírus são transmitidos por um complexo de espécies crípticas da mosca-branca Bemisia tabaci, mas, recentemente, vem sendo constatada a transmissibilidade via sementes. Curiosamente, plantas de Cnidoscolus urens são observadas no campo com sintomas típicos de infecção por begomovírus mesmo na aparente ausência do vetor. Neste contexto, o objetivo do presente estudo foi caracterizar molecularmente novos begomovírus infectando C. urens, bem como estudar a possível transmissão de vírus por sementes. Amostras foliares apresentando sintomas indicativos de infecção por begomovírus foram coletadas nos estados de Pernambuco e Rio Grande do Norte, entre 2019 e 2020. O DNA total foi extraído a partir das plantas de cansanção e, posteriormente, utilizado como molde para amplificação por círculo rolante (RCA), seguida de clonagem e sequenciamento por primer walking. No município de Paripueira, Alagoas, foram coletadas folhas, flores e sementes de plantas sintomáticas, bem como plântulas oriundas de sementes infectadas, e testadas para o Cnidoscolus mosaic leaf deformation virus (CnMLDV), utilizando primers espécie-específicos. Um total de seis clones do componente genômico DNA-A e dois clones do DNA-B foram obtidos. O DNA-A do isolado de Paulista - PE compartilhou maior porcentagem de identidade de nucleotídeos (79,9%) com o vírus Tomato common mosaic virus (ToCmMV; número de acesso KC706579), enquanto o DNA-A do isolado de Cabo de Santo Agostinho – PE obteve maior porcentagem de identidade de nucleotídeos (88,9%) com CnMLDV (NC038982). O componente DNA-A do isolado de Goianinha - RN também compartilhou maior porcentagem de identidade nucleotídica (82,8%) com CnMLDV (NC038982). Com base nos critérios de classificação para o gênero Begomovirus, relatamos três novos membros infectando C. urens, e os nomes Begomovirus paulitiensis, Begomovirus caboniensis e Begomovirus goianiensis, respectivamente, são propostos para estes vírus, adotando o sistema binominal. Os resultados de detecção de CnMLDV em partes de plantas revelaram que 62% das sépalas, 79% do androceu e 83% das flores, pétalas e gineceu estavam infectadas. Mais de 90% das sementes coletadas a partir de C. urens infectadas com CnMLDV tiveram resultado positivo. O CnMLDV também foi identificado a partir de tegumento, endosperma e embrião. No entanto,  não foi observada evidência de transmissão de CnMLDV das sementes para as plântulas. Assim, sugerindo que a transmissibilidade via  sementes não é uma propriedade geral do begomovírus CnMLDV.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2149632 - SARAH JACQUELINE CAVALCANTI DA SILVA
Interno - 051.040.974-12 - MARIOTE DOS SANTOS BRITO NETTO - UFRPE
Externo à Instituição - ROBERTO RAMOS SOBRINHO
Notícia cadastrada em: 21/08/2021 17:55
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-3.srv3inst1 22/05/2024 02:54