PPGPP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROTEÇÃO DE PLANTAS CAMPUS DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS AGRÁRIAS Telefone/Ramal: (82) 3214-1307

Banca de DEFESA: RENATA PEREIRA DE LIMA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RENATA PEREIRA DE LIMA
DATA : 25/02/2022
HORA: 09:00
LOCAL: CECA/UFAL (Defesa online através da plataforma Google Meet)
TÍTULO:

HISTÓRIA DE VIDA DE Tetranychus bastosi TUTTLE, BAKER & SALES, (ACARI: TETRANYCHIDAE) NO ESTADO DE ALAGOAS


PALAVRAS-CHAVES:

Ácaro vermelho, parâmetros biológicos, crescimento populacional, tabela de vida de fertilidade.


PÁGINAS: 66
RESUMO:

Tetranychus bastosi (Tuttle, Baker & Sales), 1977 (Acari: Tetranychidae) foi descrito no estado do Ceará e até o presente momento a ocorrência dessa espécie é restrita ao Brasil. É um ácaro fitófago com registro em mais de 36 hospedeiros vegetais, incluindo espécies de importância agrícola. Dessa forma, os objetivos deste estudo foram relatar o primeiro registro da ocorrência de T. bastosi no estado de Alagoas, além de avaliar a história de vida de T. bastosi em diferentes hospedeiros. Em Alagoas, T. bastosi foi relatado pela primeira vez, infestando plantas de Turnera subulata L. e Ipomoea batatas L., ocasionando danos significativos. O crescimento populacional de T. bastosi mostrou valores positivos de 0,35 ± 0,02 e 0,21 ± 0,09 para I. batatas e para T. subulata, respectivamente, com diferenças significativas entre eles. Para o estudo da história de vida de T. bastosi foram avaliados os parâmetros duração e sobrevivência dos estágios imaturos, longevidade e fecundidade. A partir dos resultados, foram confeccionadas tabelas de vida de fertilidade para três espécies vegetais: Morus rubra L. considerado o primeiro hospedeiro para esse ácaro no Brasil; I. batatas, hospedeiro de primeiro relato no estado de Alagoas; e Psidium guajava L. hospedeiro de ocorrência relatada para o Nordeste brasileiro. Taxas instantâneas de crescimento (ri), preferência alimentar e de oviposição também foram avaliadas para T. bastosi. O período de incubação dos ovos de T. bastosi apresentou foi maior em M. rubra (5,9 dias) seguido por I. batatas (4,0 dias) e P. guajava (4,0 dias). O período larval mais longo foi observado em P. guajava (5,7 dias). As maiores durações dos estágios de protoninfa e deutoninfa foram observadas em P guajava (3 dias) e M. rubra (2,3 dias), respectivamente. O período mais longo de ovo a adulto de T. bastosi foi observado em I. batatas (30 dias). A maior longevidade de T. bastosi foi obsevada nos hospedeiros I. batatas e M. rubra (39,8 e 30,2 dias, respectivamente). T. bastosi mostrou maior taxa líquida (Ro) e maior duração média de uma geração (T) sobre M. rubra (13,0 e 21,3 dias), porém a maior capacidade inata de aumento populacional (rm) e taxa finita de aumento (λ) foram observadas sobre I. batatas (0,15 e 1,16). Os testes de preferência hospedeira indicaram que houve preferência de T. bastosi por P. guajava em todos os bioensios e períodos analisados, no entanto, não foi observada preferência para oviposição entre os hospedeiros. O crescimento populacional de T. bastosi mostrou valores positivos de ri 0,350 e 0,275 para I. batatas e M. rubra, respectivamente, porém um valor negativo foi observado para P. guajava (-0,082), indicando a inadequação hospedeira para T. bastosi.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1389433 - MARIANA OLIVEIRA BREDA
Interno - 024.985.859-23 - ELIO CESAR GUZZO - USP
Interno - 3007246 - MAURICIO SILVA DE LIMA
Externa ao Programa - 3228367 - ALICE MARIA NASCIMENTO DE ARAUJO
Externo à Instituição - JOSE VARGAS DE OLIVEIRA
Notícia cadastrada em: 23/02/2022 20:39
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2022 - UFAL - sig-app-2.srv2inst1 01/07/2022 19:47