PPGPP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROTEÇÃO DE PLANTAS CAMPUS DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS AGRÁRIAS Telefone/Ramal: (82) 3214-1307

Banca de DEFESA: CESAR GONCALVES DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CESAR GONCALVES DOS SANTOS
DATA : 28/03/2022
HORA: 08:00
LOCAL: google meet
TÍTULO:

INTERAÇÕES ENTRE Rhynchophorus palmarum LINNAEUS, 1758 (COLEOPTERA: CURCULIONIDAE) E Billaea rhynchophorae BLANCHARD, 1937 (DIPTERA: TACHINIDAE)


PALAVRAS-CHAVES:

Arecáceas, Controle Biológico, Compostos Orgânicos Voláteis, Ecologia Química.


PÁGINAS: 72
RESUMO:

Rhynchophorus palmarum Linnaeus, 1758 (Coleoptera: Curculionidae) é a principal praga de arecáceas na região Neotropical, ocorre em vários estados brasileiros, atacando além das palmeiras, diversas culturas de importância econômica. No coqueiro e dendezeiro, causa danos diretos e indiretos, levando à redução da produtividade. Tendo em vista que não existe um produto químico registrado para combater essa praga, os métodos de controle mais eficientes são o cultural, o comportamental e o biológico. Moscas-parasitoide do gênero Billaea Robineau-Desvoidy, 1830 (Diptera: Tachinidae) vêm sendo utilizadas no controle de pragas de grandes culturas na América Latina, e no Brasil é registrado o parasitismo natural de Billaea spp. em plantações de dendê infestadas com R. palmarum, porém não existem estudos sobre a ecologia química desses inimigos naturais. Assim, o presente trabalho teve como objetivo identificar Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) envolvidos na interação praga-parasitoide, bem como os compostos cuticulares de B. rhynchophorae Blanchard, 1937. A praga e o parasitoide foram coletados em plantações de dendê no estado da Bahia, transportados ao Laboratório de Pesquisa em Recursos Naturais (LPqRN) e acondicionados em BOD. A coleta dos voláteis de larvas de R. palmarum e estipe de dendezeiro foram obtidos através da técnica de headspace dinâmico, também foram feitas extrações cuticulares de diferentes partes de B. rhynchophorae por meio de solvente. Os extratos de headspace e cuticulares foram analisados e os compostos identificados por meio de Cromatografia Gasosa acoplada ao Detector de Ionização em Chama (CG-FID) e Cromatografia Gasosa acoplada à Espectrometria de Massas (CG-MS). As análises químicas revelaram a presença de 17 compostos nos extratos de aeração e sete (7) nos extratos cuticulares. Nos bioensaios de eletroantenografia, três compostos presentes no headspace foram ativos para fêmeas de B. rhynchophorae. Os compostos identificados nos extratos cuticulares são semelhantes entre as partes analisadas e pertencem à classe dos hidrocarbonetos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1119939 - ANTONIO EUZEBIO GOULART SANTANA
Interno - 024.985.859-23 - ELIO CESAR GUZZO - USP
Externa à Instituição - NIVIA DA SILVA DIAS PINI - EMBRAPA
Notícia cadastrada em: 25/03/2022 17:39
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2022 - UFAL - sig-app-2.srv2inst1 04/07/2022 02:11