PPGPP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROTEÇÃO DE PLANTAS CAMPUS DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS AGRÁRIAS Telefone/Ramal: 99963-8987

Banca de QUALIFICAÇÃO: KEVISON ROMULO DA SILVA FRANÇA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : KEVISON ROMULO DA SILVA FRANÇA
DATA : 29/08/2023
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de aula do prédio da pós-graduação
TÍTULO:

IDENTIFICAÇÃO DE Lasiodiplodia spp. ASSOCIADAS À PODRIDÃO DE COROA EM BANANA NAS REGIÕES NORTE E NORDESTE DO BRASIL


PALAVRAS-CHAVES:

Botryosphaeriaceae, Caracterização molecular, Musa spp.


PÁGINAS: 60
RESUMO:

A podridão da coroa é uma doença pós-colheita com grande impacto negativo na qualidade dos frutos da bananeira. As infecções ocorrem durante a colheita, no entanto, os sintomas surgem na pós-colheita, durante a maturação fisiológica dos frutos. Diferentes fungos são associados a esta doença, podendo variar de acordo com as regiões geográficas, com destaque para espécies do gênero Lasiodiplodia. Nesse contexto, o presente estudo tem como objetivo identificar Lasiodiplodia spp. associadas à podridão de coroa em estados das regiões Norte e Nordeste do Brasil. O isolamento foi realizado de forma direta, observada a presença de picnídios, ou quando indireta à partir do tecido sintomático. A caracterização morfocultural foi realizada a partir de colônias  com 15 dias de crescimento em Batata Dextose Ágar (BDA). Os conídios foram mensurados a partir de picnídios produzidos em acículas de pinheiro autoclavadas, obtendo o comprimento, largura e razão C/L de conídios maduros  (n=50) e  imaturos  (n=50). O DNA genômico de todos os isolados foi extraído, as sequências gênicas do fator de alongamento da tradução (EF1- α) amplificadas por PCR e os produtos enviados para sequenciamento. As regiões do espaço interno transcrito (ITS) e uma porção do gene da  β-tubulina (TUB) serão utilizadas para dar maior suporte a identidade das espécies. A patogenicidade e virulência foram determinadas para todos os isolados em frutos de banana ‘prata’. Foram obtidos 114 isolados à partir de frutos sintomáticos coletados em 33 municípios localizados  em diferentes estados das regiões Norte e Nordeste. Os isolados variaram em seus caracteres morfológicos e culturais, apresentando micélios aéreos densos de coloração branca a preto acinzentado. O crescimento micelial variou entre 17,9 a 42,5 mm.dia-1. Os conídios imaturos apresentaram formatos ovoides a cilíndricos (10,1–23,1 x 5,4–11,2 µm), tornando-se marrons com septos medianos e estrias longitudinais, quando maduros (10,2–19,7 x 6,0–9,9 µm). Todos os isolados foram patogênicos, apresentando lesões visíveis após quatro dias de inoculação. Os isolados mais agressivos produziram lesões que variaram entre 49,8 a 53,3 mm (Ø), enquanto os isolados menos agressivos produziram lesões que variaram entre 12,7 a 13,0 mm (Ø).


MEMBROS DA BANCA:
Interno(a) - 1790557 - GILDEMBERG AMORIM LEAL JUNIOR
Presidente - 1546023 - IRAILDES PEREIRA ASSUNCAO
Externo(a) ao Programa - 3339094 - MAYRA MACHADO DE MEDEIROS FERRO
Notícia cadastrada em: 25/08/2023 14:49
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-4.srv4inst1 22/05/2024 01:22