Banca de DEFESA: JUAREZ CAVALCANTE FERREIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JUAREZ CAVALCANTE FERREIRA
DATA : 31/03/2022
HORA: 09:00
LOCAL: Webconferência
TÍTULO:

De Macacos à Escorrego: metamorfoses de uma
territorialidade quilombola em Bom Conselho – Pernambuco


PALAVRAS-CHAVES:

territórios tradicionais; comunidades remanescentes; uso do

território;
tradição; resistência.


PÁGINAS: 113
RESUMO:

As comunidades remanescentes de quilombos representam a

personificação das lutas desse
povo por liberdade. São heranças da marginalização e
subjugação a que foram submetidas as
populações afro e afrodescendentes durante vários séculos de
exploração. Como resultado de
um processo de exploração e resistência dessa categoria, tem-
se um considerável número de
comunidades descendentes de quilombos – antes chamadas
comunidades negras rurais (mais
ao Centro-Oeste, Sul e Sudeste) e terras de preto (mais ao
Norte e Nordeste) - espalhadas nas
cinco regiões que constituem o território brasileiro: 3.475
identificadas e 2.819 certificadas pela
Fundação Cultural Palmares (FCP, 2021). A presente
dissertação consiste em um estudo sobre
as metamorfoses territoriais da Comunidade Quilombola de
Escorrego, anteriormente
denominada de Macacos, localizada no município de Bom
Conselho, no Agreste Meridional de
Pernambuco, tomando como escala temporal os primeiros
decênios do século XXI (2000 a
2021). Para a sua realização, nos aportamos na categoria
território usado, desenvolvida por
Gottmann (2012) e por Santos (2005, 2009, 2011), e a sua
compreensão como território abrigo.
Ou seja, marcado por vínculos históricos e tradições daqueles
que o habitam, resistindo e 

coexistindo com atividades e práticas características do período
atual. E, portanto, a sua
compreensão como espaço banal, quer dizer, espaço de todos.
Logo, concebido tanto como
recurso por alguns, como por abrigo (no caso das comunidades
investigadas). Por conseguinte,
estabelecendo relações com outras territorialidades quilombolas
do município e, numa escala
mais ampla, do estado e do país, a partir da discussão dos
processos históricos e jurisdicionais
necessários à legalização dos territórios tradicionais, leis e
decretos, bem como os entraves
burocráticos que impedem o avanço dos processos de titulação
dos mesmos. Assim, foi possível
entender e analisar as transformações da então Comunidade de
Macacos, atual Comunidade de
Escorrego, a sua territorialidade e as características que a
distingue ou a aproximam das demais
comunidades quilombolas municipais certificadas. Portanto,
mostrando as tradições existentes,
atividades econômicas, as formas tradicionais de produzir, as
ferramentas utilizadas. E dessa
forma, as relações dentro da própria comunidade e entre esta e
os demais habitantes do
município, os seus desafios e perspectivas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1214339 - ANTONIO ALFREDO TELES DE CARVALHO
Interno - 1120864 - CICERO PERICLES DE OLIVEIRA CARVALHO
Interna - 1791144 - MARIA FRANCINEILA PINHEIRO DOS SANTOS
Externa ao Programa - 3145494 - RACHEL ROCHA DE ALMEIDA BARROS
Notícia cadastrada em: 21/03/2022 15:55
SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2024 - UFAL - sig-app-1.srv1inst1 29/02/2024 06:51