Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFAL

2021
Dissertações
1
  • AMANDA LIMA MORAES DOS SANTOS
  • Cadeia de Processamento de Mandioca: Tendências Mundiais de Tratamento dos Efluentes e Oportunidades de Melhorias na Linha de Produção de Uma Casa de Farinha no Estado de Alagoas

  • Orientador : DANIELE VITAL VICH
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DANIELE VITAL VICH
  • KARINA RIBEIRO SALOMON
  • NELIA HENRIQUES CALLADO
  • THEO SYRTO OCTAVIO DE SOUZA
  • Data: 25/02/2021

  • Mostrar Resumo
  • A cadeia de beneficiamento da mandioca é potencialmente sustentável e pode contribuir ativamente na mudança em direção à economia circular. Neste trabalho, objetivou-se avaliar as tendências mundiais acerca do tratamento da água residuária do processamento de mandioca e identificar oportunidades de melhorias na linha de produção de uma casa de farinha no estado de Alagoas. Para compreender as tendências da pesquisa científica, realizou-se uma análise bibliométrica sobre digestão anaeróbia e produção de biogás utilizando a base de dados Scopus. Para verificar as oportunidades de aperfeiçoamento na cadeia produtiva, avaliou-se a gestão de água, resíduos, efluentes e energia e as emissões de gases de efeito estufa em uma casa de farinha do agreste alagoano. Os resultados mostraram que foram publicados 632 trabalhos sobre o tema ao longo de 41 anos. O interesse das pesquisas cresceu exponencialmente a partir de 2001 e está voltado principalmente para a recuperação de bioprodutos, tais como: metano, biogás, hidrogênio, bio-óleo, bioetanol, ácido propriônico e ácido butírico. O tratamento anaeróbio do efluente já alcançou a escala plena em países como Índia, China e Tailândia. Na casa de farinha, a compreensão dos fluxos de matéria e energia ao longo da cadeia produtiva permitiu identificar etapas com deficiência e apontar melhorias como o tratamento de efluentes, reuso da água residuária e substituição da fonte de energia térmica. No cenário melhorado, houve diminuição de 25% do consumo de eletricidade e de 34% das emissões relacionadas a queima de biomassa para alimentar os fornos utilizados para torrar farinha.


  • Mostrar Abstract
  • -

2
  • VALÉRIA CARNEIRO DOS SANTOS
  • Avaliação de sistema de aproveitamento de águas pluviais de telhado via simulação contínua com dados subdiários

  • Orientador : MARLLUS GUSTAVO FERREIRA PASSOS DAS NEVES
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARLLUS GUSTAVO FERREIRA PASSOS DAS NEVES
  • CLEUDA CUSTODIO FREIRE
  • VLADIMIR CARAMORI BORGES DE SOUZA
  • ALFREDO AKIRA OHNUMA JÚNIOR
  • Data: 24/09/2021

  • Mostrar Resumo
  • A drenagem sustentável propõe técnicas compensatórias que promovam regimes de vazões mais próximos do natural. Neste aspecto, o aproveitamento de águas pluviais pode promover a atenuação de vazões máximas além de suprir a parcela não potável da demanda de água. Assim, neste trabalho, objetivou-se avaliar o comportamento de um sistema de aproveitamento de água de chuva quanto ao impacto na geração do escoamento superficial e o método de simulação com dados diários, utilizado comumente no dimensionamento de reservatórios de aproveitamento de águas pluviais. Para isso, dados de monitoramento de precipitação e vazão, constituintes de uma série contínua de pouco menos de um ano, com discretização em intervalos de tempo de 1 minuto, foram utilizados para calibração e validação do modelo SWMM. Em seguida, uma série contínua de precipitação de aproximadamente sete anos, com mesma discretização, foi utilizada para simular o sistema telhado – reservatório de descarte – reservatório principal para diferentes cenários de demanda, avaliando-se com indicadores de eficiência de economia de água, taxa de desperdício de água de chuva, confiabilidade plena do sistema, redução de volume e redução de vazões de pico. Na etapa de calibração, foi verificado um bom ajuste do modelo, com coeficientes de eficiência de Nash-Sutcliffe acima de 0,94 na simulação contínua do sistema completo. Na avaliação do sistema no período de monitoramento, de julho de 2018 a março de 2019, as reduções de volume e vazões máximas foram de 34% e 98%, respectivamente, sendo usados os volumes de água de chuva pelos moradores equivalentes a 1,2% do consumo total médio de janeiro. No período simulado, de 2014 a 2020, as reduções foram de 45% a 48% (volume) e de 98% (vazão máxima) nos seis cenários simulados. O melhor cenário, em termos de atendimento à demanda, foi o cenário 1 em que a eficiência de economia de água foi de 0,38 e a confiabilidade plena foi 37%. Quanto ao método da simulação com dados diários, obteve-se para uma confiabilidade plena de 90% uma demanda diária de 4,3 litros/dia, ao passo que na simulação contínua com o modelo SWMM a demanda foi de 2,4 litros/dia, uma diferença de aproximadamente 40%. Para esse cenário de 90% de confiabilidade plena, as reduções de volume e vazões máximas foram de 13% e 95%, respectivamente. Observaram-se ainda a importância do monitoramento do reservatório de descarte, pois ele capta boa parte das precipitações menos intensas, e a importância de se simular séries contínuas com discretização mais refinada, quando comparada com métodos mais simplificados que utilizam dados diários sem dados de evaporação, por exemplo. Ao final do trabalho, foi possível concluir que embora existam desafios para conciliar os usos de sistemas de aproveitamento de águas pluviais, a adoção dessa técnica pode ser vantajosa na atenuação de escoamento superficial e que, a partir da referência simulação contínua com o SWMM, o método da simulação com dados diários pode superestimar os volumes.


  • Mostrar Abstract
  • Sustainable urban drainage proposes alternative techniques that promotes hydrological regimes closer to their natural states. Hence, rainwater harvesting supplement water for non-potable uses and, at the same time, contributes to control storm water runoff at the source. Therefore, the aim of this study was to assess the performance of a rainwater harvesting system (RHS) in storm water runoff control and also the simulation method with daily data, commonly used in design of rainwater harvesting reservoirs. For this, 1 minute time interval rainfall and flow rate continuous series were used for SWMM 5.1 calibration. Then, a continuous series of seven years of gauged precipitation was used to simulate the whole system (roof - "first-flush" tank - main tank) for different non-potable water demand scenarios and this serie also used data with 1 minute time interval. The assessment was based in terms of water saving efficiency, rainwater waste ratio, reliability and peak and volume reduction rates. At calibration phase, the Nash-Sutcliffe coefficient values obtained at continuous simulation of RHS were high (>0.94). At the assessment of the RHS at monitoring months, from July 2018 to March 2019, the volume and peak reductions were equal to 34% and 98%, respectively, being used rainwater volume by residents equivalents to 1.2% of average total consumption on january. At simulated period, from 2014 to 2020, the reduction rates were 45% to 48% (volume) and 98% (peak) in the six simulated scenarios. The best scenario, in terms of demand, was scenario 1 where the water saving efficiency was 0.38 and the reliability was 37%. As for the simulation method, with daily interval, for a full reliability of 90%, a daily demand of 4.3 liters/day was obtained, whereas in the continuous simulation, using SWMM, the demand was 2.4 liters/day, difference of approximately 40%. For the 90% reliability scenario, the volume and peak reductions were 13% and 95%, respectively. The relevance of monitoring the "first discharge" tank and also of the continuous simulations series with appropriate resolution was observed. The "first discharge" tank captures a part of the low intensity events and the used way of continuous simulation can represent hidden aspects at more simplified methods using daily data series without evaporation data for example. At the end of this study, it was possible to conclude that although there are challenges to reconcile the uses of rainwater harvesting, the adoption of this technique can be advantageous in storm water runoff mitigation and that, from continuous simulation with SWMM as reference, the simulation method with daily data can overestimate the volumes.

3
  • WALLISSON MOREIRA DE CARVALHO
  • Avaliação de um produto de precipitação estimado por satélite para o Brasil e sua aplicabilidade na modelagem hidrológica de uma bacia tropical/subtropical de larga escala.

  • Orientador : CARLOS RUBERTO FRAGOSO JUNIOR
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CARLOS RUBERTO FRAGOSO JUNIOR
  • FABIO FARIAS PEREIRA
  • REGINA CAMARA LINS
  • ANDERSON LUIS RUHOFF
  • Data: 02/12/2021

  • Mostrar Resumo
  • Os dados de precipitação da missão Global Precipitation Measurement (GPM) fornecem uma nova fonte de informações com uma alta resolução espaço-temporal que supera as limitações das informações de uma rede de monitoramento pluviométrico convencional. Este estudo avalia o desempenho do produto Integrated Multi-satellitE Retrievals for GPM (IMERG) V06 Final Run sobre o Brasil e investiga a sua aplicabilidade de simulação hidrológica através de simulações realizadas numa bacia de grande escala submetida ao clima tropical/subtropical. Os resultados mostraram que o GPM-IMERG apresenta uma tendência para subestimar a quantidade de precipitação para maiores intensidades de precipitação, e que a sua capacidade de detecção é espacialmente variável e sensível às variações de longitude. Além disso, o GPM-IMERG mostrou melhores desempenhos em regiões sob climas subtropicais. No contexto do uso do GPM-IMERG para modelagem hidrológica, os resultados mostraram que o GPM-IMERG foi capaz de levar o modelo hidrológico a captar o padrão de precipitação sazonal e representar as variações espaciais e temporais das vazões.


  • Mostrar Abstract
  • Rainfall data from the Global Precipitation Measurement (GPM) mission provide a new source of information with a high spatiotemporal resolution that overcomes the limitations of ground-based rainfall information worldwide. This study evaluates the performance of the Integrated Multi-satellitE Retrievals for GPM (IMERG) V06 Final Run product over Brazil and investigates its applicability hydrological simulation by performing in a large-scale tropical/subtropical basin. The results showed that GPM-IMERG presents a tendency to underestimate the amount of precipitation for higher precipitation intensities, and its detection ability is spatially variant and sensitive for longitude. Moreover, GPM-IMERG showed better performances in regions under subtropical climates. The GPM-IMERG application for hydrological modeling context showed that GPM-IMERG could drive the hydrological model to capture the seasonal rainfall pattern and represent the spatial and temporal streamflow variations.

4
  • ANA LUIZA DE SOUSA CASTRO
  • USO DO CAPIM-ELEFANTE COMO BIOCOMBUSTÍVEL: TENDÊNCIAS DE PESQUISAS MUNDIAIS E POTENCIAL PARA GERAÇÃO DE BIOGÁS NO ESTADO DE ALAGOAS

  • Orientador : DANIELE VITAL VICH
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DANIELE VITAL VICH
  • IVETE VASCONCELOS LOPES FERREIRA
  • KARINA RIBEIRO SALOMON
  • THEO SYRTO OCTAVIO DE SOUZA
  • Data: 10/12/2021

  • Mostrar Resumo
  • A crescente demanda por energia e a consequente ameaça à segurança energética tornaram o uso de fontes renováveis uma necessidade mundial. Nesse contexto, o uso de culturas energéticas mostra-se uma alternativa promissora. Destaca-se aqui o capim-elefante (Pennisetum purpureum), uma gramínea com elevada produção de biomassa e alta adaptabilidade, podendo ser cultivada em diversos tipos de solo, inclusive degradados, não competindo com culturas alimentares. Essas características o tornaram atrativo para o mercado energético em diversos cenários, a exemplo da produção de biogás. Este trabalho objetivou analisar sistematicamente pesquisas científicas acerca da digestão anaeróbia a partir do capim-elefante para a produção de biogás e avaliar a viabilidade teórica de produção de energia a partir de co-digestão de silagem da gramínea com resíduos da bovinocultura, suinocultura e avicultura no Estado de Alagoas. Visando entender as tendências mundiais acerca do tema, foi realizada uma análise bibliométrica utilizando a base de dados Scopus. Para avaliação do potencial teórico de produção de energia a partir do biogás em Alagoas, foram levantados dados de efetivos de rebanho de bovinos leiteiros, suínos e galináceos nas microrregiões alagoanas. O quantitativo de capim-elefante foi calculado a partir da relação C/N da mistura. Posteriormente, partindo do pressuposto que o plantio da gramínea não é exequível em todo o Estado, foram levantados hectares disponíveis para cultivo do capim considerando dados de colheita da cana-de-açúcar fornecidos pelo IBGE. As áreas requeridas e disponíveis foram confrontadas. As áreas resultantes do confronto foram utilizadas para a estimativa da produção de energia. Foram publicados 143 documentos ao longo de 36 anos, mas somente algumas publicações foram voltadas para avaliação da idade ótima de colheita do capim-elefante para produção de biogás, aplicação de pré-tratamentos para superar a hidrólise lenta e uso da gramínea como segundo substrato em processos de co-digestão anaeróbia. No que tange ao potencial energético em Alagoas, o cenário onde houve a co-digestão de silagem de capim-elefante e dejetos de avicultura apresentou melhor desempenho. Quanto à microrregião, destacou-se a de Arapiraca, em especial o município de São Sebastião. Ao final do trabalho, foi possível concluir que, com base no número de publicações, a produção de biogás a partir do capim-elefante ainda está pouco difundida na comunidade científica. Em Alagoas, Arapiraca apresenta-se como um potencial polo de produção de energia alternativa, contribuindo assim para a diversificação da matriz energética do Estado. 


  • Mostrar Abstract
  • -

5
  • WILLIAN SUZARTE CRUZ
  • Análise de ciclo de vida do sistema de tratamento de lixiviado em um aterro sanitário municipal.

  • Orientador : KARINA RIBEIRO SALOMON
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DANIEL PINTO FERNANDES
  • FERNANDA SANTANA PEITER
  • KARINA RIBEIRO SALOMON
  • MATEUS HENRIQUE ROCHA
  • Data: 18/12/2021

  • Mostrar Resumo
  • A Estação de Tratamento de Lixiviado (ETL) de aterro sanitário possui a função de tratar o lixiviado bruto e cumprir os padrões de lançamento requeridos na legislação ambiental federal (Resoluções CONAMA nº 357/2005 e 430/2011) e as respectivas legislações estaduais, nesse caso, a Instrução Normativa nº 01/2018 de Alagoas. Apesar de contemplar os padrões de lançamento, as legislações não consideram uma visão ampliada de todos os impactos ocasionados durante o ciclo de vida operacional da ETL. Nesse sentido, buscou-se avaliar o desempenho ambiental da operação do sistema de tratamento de lixiviado proveniente da Central de Tratamento de Resíduos Benedito Bentes (CTR/BB), em Maceió – AL, por meio da Avaliação do Ciclo de Vida (ACV). Foram considerados seis cenários de operação da ETL, sendo um cenário real e cinco hipotéticos. O cenário real foi baseado na concepção original: lagoa anaeróbia, lagoa de pré-aeração, lagoa aerada, sistema físico-químico por coagulação, floculação e decantação, sistema de filtração por carvão ativado e zeólita e sistema de nanofiltração. Já os cenários hipotéticos, foram baseados na substituição do sistema de tratamento biológico para UASB-Wetland, e no aproveitamento de recursos e ganhos ambientais, isto é, aproveitamento do biogás para geração de energia elétrica e diminuição dos gases de efeito estufa. Para a realização da ACV, foram obtidos dados primários e secundários empregados na construção dos Inventários de Ciclo de Vida (ICVs), sendo utilizados dados da CTR/BB, bem como do banco de dados Ecoinvent v. 3.5, compilados através do software OpenLCA. O método de avaliação escolhido foi o CML – IA baselineWorld 2000, o qual avaliou as seguintes categorias de impacto: depleção abiótica, depleção abiótica (combustíveis fósseis), acidificação, eutrofização, ecotoxicidade de água doce, aquecimento global (GWP100a), toxicidade humana, ecotoxicidade marinha, destruição da camada de ozônio, oxidação fotoquímica e ecotoxicidade terrestre. Os resultados mostraram que o Cenário 6 (hipotético) foi o que apresentou o melhor desempenho da pesquisa, tornando-se o sistema com menor impacto ambiental. Já o Cenário 1 (real), apresentou o pior desempenho da ACV, exceto para as categorias: Aquecimento Global (AG) e Oxidação Fotoquímica (OF). A pesquisa também evidenciou o Cloreto de Polialumínio (PAC) como principal fator causador de impacto ambiental em todos os cenários e o Metano (CH4) como o segundo fator para alguns cenários. Apesar disso, o Metano permitiu um maior aproveitamento de recursos e ganho ambiental, deixando de ser liberado diretamente na atmosfera para ser aproveitado como fonte de geração de energia elétrica. Essa mudança ocasionou uma diminuição do impacto em mais de 70% para as categorias AG e OF. Dessa forma, a ETL pode ser otimizada em termos de desempenho ambiental, não somente com a diminuição dos impactos ambientais do sistema operacional, mas também a partir do aproveitamento de recursos presentes no lixiviado.


  • Mostrar Abstract
  • .

2020
Dissertações
1
  • DIEGO DA SILVA LIMA
  • MODELO PARA GESTÃO FINANCEIRA DA DRENAGEM URBANA

  • Orientador : VLADIMIR CARAMORI BORGES DE SOUZA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • VLADIMIR CARAMORI BORGES DE SOUZA
  • VALMIR DE ALBUQUERQUE PEDROSA
  • MARLLUS GUSTAVO FERREIRA PASSOS DAS NEVES
  • CARLOS DE OLIVEIRA GALVAO
  • Data: 17/02/2020

  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação consiste na proposição de modelo de financiamento para a drenagem urbana, avaliada em Maceió/AL e Paulo Jacinto/AL. A partir dos conceitos de déficit, e de dados de investimentos realizados nos últimos cinco anos na área de estudo, foram simuladas três técnicas de cobrança, a partir das formulações de Tasca (2016), Tucci (2002) e Semasa (1997). Os resultados desta pesquisa estimam um prejuízo anual de R$8,2 bilhões por ano, no Brasil, oriundo do déficit de aporte financeiro em ações de drenagem urbana. O valor médio mensal da cobrança, obtido para um lote de 100 metros quadrados, é de R$ 1,65 para o município de Maceió/AL e de R$0,91 para a cidade de Paulo Jacinto/AL. O valor obtido é inferior a média de valores obtidos em experiências internacionais, em decorrência de dois pontos: o menor nível de investimento realizado, bem como da renúncia em recuperar os custos de investimento, pois foram considerados somente o montante referente à operação e manutenção do sistema de drenagem.


  • Mostrar Abstract
  • This dissertation consists of proposing a financing model for urban drainage, evaluated in Maceió/AL and Paulo Jacinto/AL. Based on the concepts of deficit and investment data made in the last five years in the study area, three models were simulated, based on the formulations of Tasca (2016), Tucci (2002) and Semasa (1997). The results of this research estimate an an-nual loss of R$ 8.2 billion per year, in Brazil, due to the deficit of financial contribution in urban drainage actions. The average monthly fee, obtained for a 100 square meter lot, is R$ 1.65 for the city of Maceió/AL and R$ 0.91 for the town of Paulo Jacinto/AL. The value obtained is lower than the average of values obtained in international experiences, as a result of two points: the lower level of investment made, as well as the refusal to recover investment costs, since only the amount referring to the operation and maintenance of the drainage system.

2
  • ANTONIONI DUARTE LINS GUERRERA
  • COMPORTAMENTO DA CAFEÍNA EM MEIO NÃO SATURADO, UTILIZAÇÃO DE ENSAIOS DE COLUNA PARA SEDIMENTOS DA FORMAÇÃO BARREIRAS E DEPÓSITOS LITORÂNEOS

  • Orientador : CLEUDA CUSTODIO FREIRE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CLEUDA CUSTODIO FREIRE
  • EDUARDO LUCENA CAVALCANTE DE AMORIM
  • JAIME JOAQUIM DA SILVA PEREIRA CABRAL
  • Data: 17/02/2020

  • Mostrar Resumo
  • Uma forma de verificar a origem de um potencial contaminante é através da presença da cafeína no meio, uma vez que a mesma é um indicador direto de contaminação por efluentes domésticos. É neste sentido que este estudo buscou compreender a relação da quantidade de cafeína encontrada nas águas subterrâneas com a quantidade que é lançada em superfície. Para tal, foi necessário analisar a presença da cafeína em poços de captação de água subterrânea e entender o comportamento da mesma em meio não saturado, utilizando sedimentos das unidades geológicas aflorantes da Formação Barreiras e dos Depósitos Litorâneos, onde foram realizados ensaios de coluna em três diferentes tamanhos (0,5 / 1,0 e 2 metros) e lançada solução de cafeína pré-definida em cada uma delas (para cada tipo de sedimento específico) e coletado em seu final, permitindo assim obter a capacidade de retenção desses sedimentos. Os resultados mostram que para a formação Barreiras, a cafeína foi retida apenas no primeiro metro de sedimentos, próxima dos 100 mg/l, onde a partir daí, tais sedimentos não foram mais capazes de agir em sua remoção. Já os Depósitos Litorâneos removeu a cafeína de maneira progressiva, permitindo deduzir que quanto maior for a profundidade dos sedimentos, maior será sua capacidade de reter. Quando analisado tais resultados com a quantidade de cafeína presente nos poços de águas subterrâneas, o valor abaixo do limite de quantificação de análise permitiu deduzir que para os Depósitos litorâneos a quantidade de cafeína lançada nas proximidades do poço foi inferior a 350 mg/L, Já para os poços localizados na formação Barreiras, a quantidade foi inferior a 100 mg/L ou, caso tenha sido superior, a zona saturada foi a responsável por reter a mesma


  • Mostrar Abstract
  • Uma forma de verificar a origem de um potencial contaminante é através da presença da cafeína no meio, uma vez que a mesma é um indicador direto de contaminação por efluentes domésticos. É neste sentido que este estudo buscou compreender a relação da quantidade de cafeína encontrada nas águas subterrâneas com a quantidade que é lançada em superfície. Para tal, foi necessário analisar a presença da cafeína em poços de captação de água subterrânea e entender o comportamento da mesma em meio não saturado, utilizando sedimentos das unidades geológicas aflorantes da Formação Barreiras e dos Depósitos Litorâneos, onde foram realizados ensaios de coluna em três diferentes tamanhos (0,5 / 1,0 e 2 metros) e lançada solução de cafeína pré-definida em cada uma delas (para cada tipo de sedimento específico) e coletado em seu final, permitindo assim obter a capacidade de retenção desses sedimentos. Os resultados mostram que para a formação Barreiras, a cafeína foi retida apenas no primeiro metro de sedimentos, próxima dos 100 mg/l, onde a partir daí, tais sedimentos não foram mais capazes de agir em sua remoção. Já os Depósitos Litorâneos removeu a cafeína de maneira progressiva, permitindo deduzir que quanto maior for a profundidade dos sedimentos, maior será sua capacidade de reter. Quando analisado tais resultados com a quantidade de cafeína presente nos poços de águas subterrâneas, o valor abaixo do limite de quantificação de análise permitiu deduzir que para os Depósitos litorâneos a quantidade de cafeína lançada nas proximidades do poço foi inferior a 350 mg/L, Já para os poços localizados na formação Barreiras, a quantidade foi inferior a 100 mg/L ou, caso tenha sido superior, a zona saturada foi a responsável por reter a mesma

3
  • CARLOS ANDRÉ SILVESTRE MEDEIROS DE ALMEIDA
  • Prospecção do lodo de ETE com capim elefante e óleo de cozinha residual como alternativa energética a produção de Pellets

  • Orientador : KARINA RIBEIRO SALOMON
  • MEMBROS DA BANCA :
  • EDUARDO LUCENA CAVALCANTE DE AMORIM
  • IVO DA SILVA
  • JOHNNATAN DUARTE DE FREITAS
  • KARINA RIBEIRO SALOMON
  • Data: 18/02/2020

  • Mostrar Resumo
  • A correta destinação de resíduos é de extrema importância para a sociedade e o para o meio ambiente. Para alcançar esse propósito novas pesquisas de reuso destes são convenientes. A utilização de pellets tem difundido com este propósito, fornecendo alternativas energéticas com satisfatórios resultados. O objetivo desse trabalho foi determinar as características elementares, químicas e energéticas de pellets produzidos com lodo de ETE combinado com capim elefante e óleo de cozinha residual para a concepção energética, para isso também aplicou-se a técnica de torrefação nos pellets e analisados com intuito de aumento de poder calorífico. Adotou-se diferentes proporções de lodo e capim. Foram analisados os parâmetros de umidade, densidade a granel, composição elementar, análise química imediata (cinzas, teor de voláteis e carbono fixo), poder calorífico, teor de finos, resistência e durabilidade mecânica. Os pellets com maior proporção de lodo apresentaram menor poder calorífico e maior teor de cinzas, porém maior densidade a granel, maior resistência e durabilidade mecânica e menor teor de finos. O óleo conferiu nos pellets aumento de poder calorífico, assim como a técnica de torrefação. Os pellets apresentaram boa qualidade em quase todos os parâmetros determinados pela norma de pellets EN 14961-6.


  • Mostrar Abstract
  • A correta destinação de resíduos é de extrema importância para a sociedade e o para o meio ambiente. Para alcançar esse propósito novas pesquisas de reuso destes são convenientes. A utilização de pellets tem difundido com este propósito, fornecendo alternativas energéticas com satisfatórios resultados. O objetivo desse trabalho foi determinar as características elementares, químicas e energéticas de pellets produzidos com lodo de ETE combinado com capim elefante e óleo de cozinha residual para a concepção energética, para isso também aplicou-se a técnica de torrefação nos pellets e analisados com intuito de aumento de poder calorífico. Adotou-se diferentes proporções de lodo e capim. Foram analisados os parâmetros de umidade, densidade a granel, composição elementar, análise química imediata (cinzas, teor de voláteis e carbono fixo), poder calorífico, teor de finos, resistência e durabilidade mecânica. Os pellets com maior proporção de lodo apresentaram menor poder calorífico e maior teor de cinzas, porém maior densidade a granel, maior resistência e durabilidade mecânica e menor teor de finos. O óleo conferiu nos pellets aumento de poder calorífico, assim como a técnica de torrefação. Os pellets apresentaram boa qualidade em quase todos os parâmetros determinados pela norma de pellets EN 14961-6.

4
  • THAÍS PEIXOTO SOUZA
  • Análise de métodos de outorga considerando os aspectos qualitativos e quantitativos

  • Orientador : CLEUDA CUSTODIO FREIRE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CARLOS RUBERTO FRAGOSO JUNIOR
  • CLEUDA CUSTODIO FREIRE
  • JOANA DARC FREIRE DE MEDEIROS
  • MARLLUS GUSTAVO FERREIRA PASSOS DAS NEVES
  • Data: 18/02/2020

  • Mostrar Resumo
  • Como instrumento da Política Nacional de Recursos Hídricos, a outorga de direito de uso dos recursos hídricos assegura o controle quantitativo e qualitativo dos usos da água e o efetivo exercício dos direitos de acesso à mesma. O usuário outorgado se apropria de determinado volume do recurso hídrico, seja captando água ou lançando efluentes, deixando este volume indisponível para outros usuários. Diante disto, surge a dificuldade de adotar uma metodologia que, utilizando dados disponíveis, retrate a capacidade de um determinado corpo hídrico receber novas descargas de efluentes. Diversos métodos têm sido aplicados por órgãos gestores a fim de garantir uma alocação ótima da água para os usuários sem comprometer a qualidade dos recursos hídricos. Este trabalho avaliou métodos distintos de análise da disponibilidade hídrica em termos de quantidade e qualidade, afim de encontrar a metodologia mais eficaz e precisa, com resultados mais próximos da realidade. O estudo de caso foi feito na bacia hidrográfica de domínio federal Paraíba do Meio, localizada entre os estados de Pernambuco e Alagoas. Os resultados mostram que quando considerados os aspectos qualitativos (lançamento de efluentes) em relação à disponibilidade hídrica, o número de trechos comprometidos é significativamente maior. Observou-se também que a utilização de modelagem hidrológica acoplada a um SIG fornece resultados mais precisos e de melhor visualização, facilitando a tomada de decisão do órgão gestor.


  • Mostrar Abstract
  • Como instrumento da Política Nacional de Recursos Hídricos, a outorga de direito de uso dos recursos hídricos assegura o controle quantitativo e qualitativo dos usos da água e o efetivo exercício dos direitos de acesso à mesma. O usuário outorgado se apropria de determinado volume do recurso hídrico, seja captando água ou lançando efluentes, deixando este volume indisponível para outros usuários. Diante disto, surge a dificuldade de adotar uma metodologia que, utilizando dados disponíveis, retrate a capacidade de um determinado corpo hídrico receber novas descargas de efluentes. Diversos métodos têm sido aplicados por órgãos gestores a fim de garantir uma alocação ótima da água para os usuários sem comprometer a qualidade dos recursos hídricos. Este trabalho avaliou métodos distintos de análise da disponibilidade hídrica em termos de quantidade e qualidade, afim de encontrar a metodologia mais eficaz e precisa, com resultados mais próximos da realidade. O estudo de caso foi feito na bacia hidrográfica de domínio federal Paraíba do Meio, localizada entre os estados de Pernambuco e Alagoas. Os resultados mostram que quando considerados os aspectos qualitativos (lançamento de efluentes) em relação à disponibilidade hídrica, o número de trechos comprometidos é significativamente maior. Observou-se também que a utilização de modelagem hidrológica acoplada a um SIG fornece resultados mais precisos e de melhor visualização, facilitando a tomada de decisão do órgão gestor.

5
  • JANIARA ALVES BATISTA
  • Influência das distintas dominialidades das águas no Brasil na gestão dos recursos hídricos - Estudo de caso

  • Orientador : CLEUDA CUSTODIO FREIRE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CLEUDA CUSTODIO FREIRE
  • VALMIR DE ALBUQUERQUE PEDROSA
  • JAILDO SANTOS PEREIRA
  • Data: 18/02/2020

  • Mostrar Resumo
  • A dominialidade das águas é considerada um fator de complexidade na gestão das águas no Brasil. Embora a Lei nº 9.433/1997 redija sobre a necessidade de se realizar uma gestão integrada, essa ainda não é a realidade do país. A dominialidade em conjunto com a não integração entre os órgãos gestores de recursos hídricos das diferentes esferas pode refletir no comportamento dos usuários de água. As regulamentações estaduais sobre cobrança e outorga são agentes motivadores de uma eventual alternância entre fontes de captação, principalmente devido à possibilidade da existência ou não da cobrança, bem como ao fato das águas superficiais apresentarem um maior avanço na implementação deste instrumento em relação às subterrâneas. Desta forma, este trabalho teve como objetivo avaliar o comportamento dos usuários de recursos hídricos no Brasil de uma bacia hidrográfica de domínio federal em decorrência dos critérios adotados para outorga e cobrança em cada unidade federativa – UF da bacia. Nesse intuito, foi realizado o levantamento das legislações pertinentes à gestão de águas nas UF, bem como das outorgas superficiais e subterrâneas concedidas. A partir do reconhecimento dos usuários mais expressivos em cada unidade, foi realizada uma análise com a finalidade de observar os reflexos da dominialidade e da gestão realizada na bacia sobre o comportamento do usuário. Constatou-se que a dominialidade reflete no comportamento dos usuários de recursos hídricos de forma que estes migram entre fontes de captação ou reduzem suas demandas diante da implementação da cobrança e buscam fontes que possam ofertar maiores volumes para concessão.


  • Mostrar Abstract
  • A dominialidade das águas é considerada um fator de complexidade na gestão das águas no Brasil. Embora a Lei nº 9.433/1997 redija sobre a necessidade de se realizar uma gestão integrada, essa ainda não é a realidade do país. A dominialidade em conjunto com a não integração entre os órgãos gestores de recursos hídricos das diferentes esferas pode refletir no comportamento dos usuários de água. As regulamentações estaduais sobre cobrança e outorga são agentes motivadores de uma eventual alternância entre fontes de captação, principalmente devido à possibilidade da existência ou não da cobrança, bem como ao fato das águas superficiais apresentarem um maior avanço na implementação deste instrumento em relação às subterrâneas. Desta forma, este trabalho teve como objetivo avaliar o comportamento dos usuários de recursos hídricos no Brasil de uma bacia hidrográfica de domínio federal em decorrência dos critérios adotados para outorga e cobrança em cada unidade federativa – UF da bacia. Nesse intuito, foi realizado o levantamento das legislações pertinentes à gestão de águas nas UF, bem como das outorgas superficiais e subterrâneas concedidas. A partir do reconhecimento dos usuários mais expressivos em cada unidade, foi realizada uma análise com a finalidade de observar os reflexos da dominialidade e da gestão realizada na bacia sobre o comportamento do usuário. Constatou-se que a dominialidade reflete no comportamento dos usuários de recursos hídricos de forma que estes migram entre fontes de captação ou reduzem suas demandas diante da implementação da cobrança e buscam fontes que possam ofertar maiores volumes para concessão.

6
  • FAUSTO DINIZ DE SOUZA
  • A influência das obras de adequação da capacidade rodoviária na qualidade da água dos corpos hídricos

  • Orientador : KARINA RIBEIRO SALOMON
  • MEMBROS DA BANCA :
  • KARINA RIBEIRO SALOMON
  • EDUARDO LUCENA CAVALCANTE DE AMORIM
  • IVETE VASCONCELOS LOPES FERREIRA
  • MARCIO GOMES BARBOZA
  • NEYSON MARTINS MENDONÇA
  • Data: 19/02/2020

  • Mostrar Resumo
  • Empreendimentos rodoviários possuem importância no desenvolvimento socioeconômico de uma região. No entanto, geram diversos impactos ao meio ambiente, e parte desses pode estar diretamente relacionada com a qualidade da água dos corpos hídricos interceptados, que pode ser considerada um importante indicador de passivos ambientais, provenientes das obras ou não, possibilitando a identificação de locais problemáticos e sua remediação. Este estudo verificou a influência das obras de duplicação da BR-101 na qualidade da água de vinte cursos d’água interceptados por essa rodovia em Alagoas, onde, através de dados obtidos referentes as análises físico-químicas e exames microbiológicos da água, de acordo com a resolução Conama 357/2005. Foi avaliada a variação temporal de 26 parâmetros relacionados à qualidade da água, e a análise de variância apontou alterações significativas e favoráveis para oxigênio dissolvido, condutividade elétrica, DBO, sólidos dissolvidos totais, pH, sólidos fixos, sólidos totais, coliformes termotolerantes, coliformes totais, clorofila-a, nitrito, fósforo, ferro e mercúrio. Nos demais rios que não foram observadas alterações significativas através da análise de variância, ainda sim, houve mudança na classificação de alguns, sendo essas tanto favoráveis quanto desfavoráveis. Utilizou-se os valores dos parâmetros obtidos para avaliar o Índice de Qualidade da Água (IQA), que além de caracterizar a água como de boa qualidade durante as fases da obra em praticamente todos os rios, apontou que, dos 11 corpos hídricos que tiveram suas obras concluídas, 8 obtiveram aumento desse índice quando comparados ao período anterior às obras.


  • Mostrar Abstract
  • Empreendimentos rodoviários possuem importância no desenvolvimento socioeconômico de uma região. No entanto, geram diversos impactos ao meio ambiente, e parte desses pode estar diretamente relacionada com a qualidade da água dos corpos hídricos interceptados, que pode ser considerada um importante indicador de passivos ambientais, provenientes das obras ou não, possibilitando a identificação de locais problemáticos e sua remediação. Este estudo verificou a influência das obras de duplicação da BR-101 na qualidade da água de vinte cursos d’água interceptados por essa rodovia em Alagoas, onde, através de dados obtidos referentes as análises físico-químicas e exames microbiológicos da água, de acordo com a resolução Conama 357/2005. Foi avaliada a variação temporal de 26 parâmetros relacionados à qualidade da água, e a análise de variância apontou alterações significativas e favoráveis para oxigênio dissolvido, condutividade elétrica, DBO, sólidos dissolvidos totais, pH, sólidos fixos, sólidos totais, coliformes termotolerantes, coliformes totais, clorofila-a, nitrito, fósforo, ferro e mercúrio. Nos demais rios que não foram observadas alterações significativas através da análise de variância, ainda sim, houve mudança na classificação de alguns, sendo essas tanto favoráveis quanto desfavoráveis. Utilizou-se os valores dos parâmetros obtidos para avaliar o Índice de Qualidade da Água (IQA), que além de caracterizar a água como de boa qualidade durante as fases da obra em praticamente todos os rios, apontou que, dos 11 corpos hídricos que tiveram suas obras concluídas, 8 obtiveram aumento desse índice quando comparados ao período anterior às obras.

7
  • OLGA ELIZA ROCHA E SILVA
  • Produção de biogás a partir da co-digestão anaeróbia de capim-elefante com vinhaça em reator em batelada

  • Orientador : EDUARDO LUCENA CAVALCANTE DE AMORIM
  • MEMBROS DA BANCA :
  • EDUARDO LUCENA CAVALCANTE DE AMORIM
  • DANIELE VITAL VICH
  • ANDERSON CARLOS MARAFON
  • NORMA CANDIDA DOS SANTOS AMORIM
  • Data: 20/02/2020

  • Mostrar Resumo
  • Este estudo teve como objetivo determinar a produção de biogás a partir da co-digestão do capim-elefante e vinhaça, utilizando biodigestor em batelada e lodo de reator UASB tratando efluentes domésticos, como inóculo. O capim-elefante foi testado na forma de caldo, prensado com concentração de DQO da ordem de 8.534,21 mg/L. O caldo foi misturado a vinhaça, que apresentou cerca de 30.000 mg/L de DQO, em diferentes proporções %v/c (A - 25/75, B - 50/50, C - 75/25, D - 100/0, E - 0/100) no ensaio I. Além disso foi testado o efeito da diluição dos substratos, como também a adição de alcalinizante as condições que apresentaram a maior produção de metano (ensaio II). Foram utilizados reatores de 106 mL e bicarbonato de sódio como alcalinizante em diferentes concentrações. O rendimento da co-digestão do biogás foi avaliado para as proporções de mistura e para cada um dos substratos separadamente, o rendimento de produção de metano acumulou valores de 7,63 – 370,94 mLCH4/gSV e foi possível verificar que a proporção que dentre as condições experimentais avaliadas, B - 50/50 apresentou a maior produção de biogás acumulada chegando a 370,94 mLCH4/gSV. As condições experimentais testadas no ensaio II apresentaram valores maiores de produção de metano que o ensaio I. A avaliação do potencial metanogênico faz parte de um projeto de pesquisa realizado junto a outras instituições do país, com o apoio da Empresa Brasileira de Pesquisa em Agropecuária (EMBRAPA). O trabalho atual pode fornecer informações para a otimização do projeto e operação, porém a produção de metano utilizando os substratos utilizados pode variar de acordo com as condições operacionais e concentrações estudadas.


  • Mostrar Abstract
  • Este estudo teve como objetivo determinar a produção de biogás a partir da co-digestão do capim-elefante e vinhaça, utilizando biodigestor em batelada e lodo de reator UASB tratando efluentes domésticos, como inóculo. O capim-elefante foi testado na forma de caldo, prensado com concentração de DQO da ordem de 8.534,21 mg/L. O caldo foi misturado a vinhaça, que apresentou cerca de 30.000 mg/L de DQO, em diferentes proporções %v/c (A - 25/75, B - 50/50, C - 75/25, D - 100/0, E - 0/100) no ensaio I. Além disso foi testado o efeito da diluição dos substratos, como também a adição de alcalinizante as condições que apresentaram a maior produção de metano (ensaio II). Foram utilizados reatores de 106 mL e bicarbonato de sódio como alcalinizante em diferentes concentrações. O rendimento da co-digestão do biogás foi avaliado para as proporções de mistura e para cada um dos substratos separadamente, o rendimento de produção de metano acumulou valores de 7,63 – 370,94 mLCH4/gSV e foi possível verificar que a proporção que dentre as condições experimentais avaliadas, B - 50/50 apresentou a maior produção de biogás acumulada chegando a 370,94 mLCH4/gSV. As condições experimentais testadas no ensaio II apresentaram valores maiores de produção de metano que o ensaio I. A avaliação do potencial metanogênico faz parte de um projeto de pesquisa realizado junto a outras instituições do país, com o apoio da Empresa Brasileira de Pesquisa em Agropecuária (EMBRAPA). O trabalho atual pode fornecer informações para a otimização do projeto e operação, porém a produção de metano utilizando os substratos utilizados pode variar de acordo com as condições operacionais e concentrações estudadas.

8
  • JOSÉ CARLOS DA SILVA JÚNIOR
  • Inventário e Gerenciamento das Emissões de Gases de Efeito Estufa: Estudo de Caso em Companhia de Saneamento

  • Orientador : KARINA RIBEIRO SALOMON
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DANIELE VITAL VICH
  • KARINA RIBEIRO SALOMON
  • MARCIO GOMES BARBOZA
  • STOÉCIO MALTA FERREIRA MAIA
  • Data: 20/02/2020

  • Mostrar Resumo
  • Os inventários de emissões de Gases de efeito Estufa (GEE) são ferramentas estratégicas de gestão ambiental que estimam as emissões por fontes específicas em área geográfica e intervalo de tempo determinado. O desenvolvimento de um inventário é a primeira etapa na criação de programas voltados para melhora da qualidade do ar. Essa pesquisa teve como objetivo elaborar um inventário de GEE e propor um gerenciamento de suas emissões decorrentes das atividades da Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) na Unidade Capital, instalada no município de Maceió, Alagoas. A metodologia empregada envolveu análise da literatura para identificar o método mais apropriado para elaboração do inventário, a coleta de dados em diversas unidades da empresa, entrevista com gestores e contabilização dos GEE. A metodologia utilizada para estimativa foi a indicada pelo Programa Brasileiro GHG Protocol, complementada com as orientações do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) para o caso do tratamento de esgotos. Os resultados do inventário de emissões de GEE indicam que no ano de 2018, a Casal, unidade Capital emitiu 31.099,33tCO2e, sendo 86,76% (26.980,70tCO2e) oriundas das emissões diretas, enquanto as indiretas representaram 13,24% (4.118,63tCO2e). A principal fonte de emissão foi o tratamento de esgoto. Como medidas mitigadoras para reduzir as emissões da empresa, foram sugeridas a utilização de combustíveis produzidos a partir de fontes renováveis e reflorestamento com árvores nativas. Bem como a utilização do biogás oriundo das estações de tratamento de esgoto. Além disso, foram identificadas oportunidades de melhoria para aperfeiçoamento do inventário elaborado e apontadas medidas para criação de um gerenciamento das emissões na empresa.


  • Mostrar Abstract
  • Os inventários de emissões de Gases de efeito Estufa (GEE) são ferramentas estratégicas de gestão ambiental que estimam as emissões por fontes específicas em área geográfica e intervalo de tempo determinado. O desenvolvimento de um inventário é a primeira etapa na criação de programas voltados para melhora da qualidade do ar. Essa pesquisa teve como objetivo elaborar um inventário de GEE e propor um gerenciamento de suas emissões decorrentes das atividades da Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) na Unidade Capital, instalada no município de Maceió, Alagoas. A metodologia empregada envolveu análise da literatura para identificar o método mais apropriado para elaboração do inventário, a coleta de dados em diversas unidades da empresa, entrevista com gestores e contabilização dos GEE. A metodologia utilizada para estimativa foi a indicada pelo Programa Brasileiro GHG Protocol, complementada com as orientações do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) para o caso do tratamento de esgotos. Os resultados do inventário de emissões de GEE indicam que no ano de 2018, a Casal, unidade Capital emitiu 31.099,33tCO2e, sendo 86,76% (26.980,70tCO2e) oriundas das emissões diretas, enquanto as indiretas representaram 13,24% (4.118,63tCO2e). A principal fonte de emissão foi o tratamento de esgoto. Como medidas mitigadoras para reduzir as emissões da empresa, foram sugeridas a utilização de combustíveis produzidos a partir de fontes renováveis e reflorestamento com árvores nativas. Bem como a utilização do biogás oriundo das estações de tratamento de esgoto. Além disso, foram identificadas oportunidades de melhoria para aperfeiçoamento do inventário elaborado e apontadas medidas para criação de um gerenciamento das emissões na empresa.

9
  • DÊNIS JOSÉ SILVESTRE COSTA
  • POLÍTICA DE TARIFAS E GESTÃO PARA SERVIÇOS AUTÔNOMOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO

  • Orientador : VALMIR DE ALBUQUERQUE PEDROSA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JAILDO SANTOS PEREIRA
  • NELIA HENRIQUES CALLADO
  • VALMIR DE ALBUQUERQUE PEDROSA
  • Data: 28/02/2020

  • Mostrar Resumo
  • Os serviços de água e esgotos são, em sua maioria, prestados por concessionárias ou empresas públicas estaduais, cuja regulação e fiscalização são delegadas às agências reguladoras, o que retira do Município a competência de gerir uma parte essencial de sua infraestrutura. No entanto, a titularidade sobre o saneamento básico foi definida na Constituição Federal de 1988 como atribuição dos municípios, que podem inclusive optarem pela prestação indireta dos serviços por meio de autarquias denominadas Serviço Autônomos de Água e Esgoto (SAAE). O grande desafio dos municípios autônomos têm sido alcançar a sustentabilidade econômico-financeira por meio de preços acessíveis tendo em vista a grandiosidade das perdas na operação de redes e na gestão comercial dos serviços, provenientes da falta de planejamento e de questões políticas sobrejacentes que evidenciam carências que já não podem esperar por serem solucionadas. Os resultados são altos custos fixos e variáveis para manutenção dos serviços que limitam a capacidade de investimentos e impactam em preços mais elevados para os menores usuários, da categoria residencial e das primeiras faixas de consumo, que por sinal, são responsáveis por 96,43% do faturamento e por mais de 80% da arrecadação anual. O atual modelo tarifário brasileiro trai o prognóstico de garantir distribuição de renda, recuperação dos custos e incentivar o consumo consciente, mostrando inconveniência e regressividade, motivo pelo qual se justifica a reestruturação do setor, que proporcione a satisfação dos usuários e uma atuação estritamente técnico-profissional dos prestadores de serviços. A nova política mostra-se mais do que um estrutura de cobrança para municípios de pequeno porte, mas também um instrumento para gestão dos serviços, ao definir diretrizes para compliance e atendimento da Política Nacional de Saneamento Básico, que ainda não se cumpre na realidade do SAAE Cajueiro/AL.


  • Mostrar Abstract
  • Os serviços de água e esgotos são, em sua maioria, prestados por concessionárias ou empresas públicas estaduais, cuja regulação e fiscalização são delegadas às agências reguladoras, o que retira do Município a competência de gerir uma parte essencial de sua infraestrutura. No entanto, a titularidade sobre o saneamento básico foi definida na Constituição Federal de 1988 como atribuição dos municípios, que podem inclusive optarem pela prestação indireta dos serviços por meio de autarquias denominadas Serviço Autônomos de Água e Esgoto (SAAE). O grande desafio dos municípios autônomos têm sido alcançar a sustentabilidade econômico-financeira por meio de preços acessíveis tendo em vista a grandiosidade das perdas na operação de redes e na gestão comercial dos serviços, provenientes da falta de planejamento e de questões políticas sobrejacentes que evidenciam carências que já não podem esperar por serem solucionadas. Os resultados são altos custos fixos e variáveis para manutenção dos serviços que limitam a capacidade de investimentos e impactam em preços mais elevados para os menores usuários, da categoria residencial e das primeiras faixas de consumo, que por sinal, são responsáveis por 96,43% do faturamento e por mais de 80% da arrecadação anual. O atual modelo tarifário brasileiro trai o prognóstico de garantir distribuição de renda, recuperação dos custos e incentivar o consumo consciente, mostrando inconveniência e regressividade, motivo pelo qual se justifica a reestruturação do setor, que proporcione a satisfação dos usuários e uma atuação estritamente técnico-profissional dos prestadores de serviços. A nova política mostra-se mais do que um estrutura de cobrança para municípios de pequeno porte, mas também um instrumento para gestão dos serviços, ao definir diretrizes para compliance e atendimento da Política Nacional de Saneamento Básico, que ainda não se cumpre na realidade do SAAE Cajueiro/AL.

10
  • NELSON DE MELO COSTA NETO
  • Comparação do desempenho de remoção de algas com e sem lise celular, em estações de tratamento de água

  • Orientador : NELIA HENRIQUES CALLADO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DAYSY LIRA OLIVEIRA
  • ELIZABETH REGINA HALFELD DA COSTA
  • MARIA RAPHAELLA DOS SANTOS VASCONCELOS
  • NELIA HENRIQUES CALLADO
  • Data: 31/03/2020

  • Mostrar Resumo
  • A contaminação dos recursos hídricos e dos mananciais de abastecimento público oriunda das atividades humanas tem sido um fator de risco devido, inclusive, à floração de algas e cianobactérias, que produzem toxinas prejudiciais à saúde humana e ambiental. Para remoção de cianotoxinas de águas para abastecimento humano tem sido empregada tecnologias com e sem lise celular. No entanto trabalhos que estudem ambas tecnologias para águas naturais com baixas e elevadas concentrações de cianobacterias ainda são escassas. Neste sentido, este trabalho teve como objetivo analisar o desempenho das duas tecnologias utilizadas na remoção destes organismos, com cloração para pré-oxidação promovendo a lise celular seguida por adsorção em CAP (carvão ativado em pó) para remoção de clorofila a e cianotoxinas, e a tecnologia de coagulação com sulfato de alumínio e o PAC (cloreto de polialumínio) para remoção de cianobacterias intectas, em dois tipos de água com a presença de cianobacterias abaixo de 20.000 cel/mL (água tipo 1) e acima de 150.000 cel/mL (agua tipo 2). Os resultados mostraram que para água tipo 1 a aplicação da tecnologia de remoção de cianobacterias com células intactas é mais viável, enquanto que para águas semelhante a do tipo 2, com elevadas concentrações de clorofila-a e algas os resultados sugerem a que a utilização de pré-oxidação com adsorção em CAP é a alternativa que promove maior remoção de cianobacterias e metabolidos.


  • Mostrar Abstract
  • The contamination of water resources and public supply springs from human activities
    has been a risk factor due to the flowering of algae and cyanobacteria, which produce toxins
    harmful to human and environmental health. Technologies with and without cell lysis have been
    employed to remove cyanotoxins from water for human supply. However, studies of both
    technologies for natural waters with low and high cyanobacterial concentrations are still scarce.
    In this sense, this work aimed to analyze the performance of the two technologies used in the
    removal of these organisms, with chlorination for pre-oxidation promoting cell lysis followed
    by adsorption in PAC (activated carbon powder) for the removal of chlorophyll a and
    cyanotoxins, and the coagulation technology with aluminum sulfate and PAC (polyaluminium
    chloride) for the removal of whole cyanobacteria in two types of water with the presence of
    cyanobacteria below 20,000 cel/mL (water type 1) and above 150,000 cel/mL (water type 2).
    The results showed that for type 1 water the application of cyanobacteria removal technology
    with intact cells with aluminum sulfate is more feasible, while for type 2 water with high
    concentrations of chlorophyll-a and algae the results suggest that only the use of aluminum
    polychloride (PAC) is the alternative that promotes removal within the parameters of the
    legislation for cyanobacteria.

11
  • DANIEL LUIS GOMES ARAUJO
  • SONDA ÓTICA DE BAIXO CUSTO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA: OTIMIZAÇÃO E VALIDAÇÃO

  • Orientador : CARLOS RUBERTO FRAGOSO JUNIOR
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CARLOS RUBERTO FRAGOSO JUNIOR
  • NELIA HENRIQUES CALLADO
  • CARLOS EDUARDO DE FARIAS SILVA
  • DAVID MANUEL LELINHO DA MOTTA MARQUES
  • Data: 08/04/2020

  • Mostrar Resumo
  • O monitoramento da qualidade das águas é uma ferramenta muito utilizada no controle dos corpos hídricos e para avaliar os processos de tratamento de águas de abastecimento e residuárias. Por serem de rápida determinação, os parâmetros físicos cor e turbidez são muito úteis no monitoramento da qualidade da água. Outro parâmetro importante é a clorofila visto que este é uma forma indireta de avaliar a presença de algas em efluentes tratados e em corpos de água devido ao processo de eutrofização. Porém, os métodos laboratoriais para análise desses parâmetros têm pouca praticidade para uso em campo. O uso de sondas de campo capazes de monitorar esses parâmetros continuamente diminui os altos custos associados à coleta, transporte e tratamento laboratorial de amostras, além do tempo necessário para que os resultados sejam disponibilizados. Apesar de algumas sondas não terem a precisão dos equipamentos laboratoriais, ou até de outras soluções de análise de campo, a continuidade do monitoramento produz dados extremamente úteis para a avaliação de eventos transitórios ou que indiquem problemas que precisam de correção imediata. Assim, este trabalho teve como objetivo o desenvolvimento de uma sonda óptica de baixo custo, visando facilitar o monitoramento da qualidade da água, por meio de análises de cor, turbidez e clorofila-a, com a validação de seu uso em um corpo de água natural e numa estação de tratamento de efluente por lagoas de estabilização. Os resultados mostram que o equipamento desenvolvido tem a capacidade de realizar o monitoramento ambiental das características propostas na estação de tratamento de efluentes, desde que este seja devidamente calibrado e sejam respeitadas suas faixas de medição. Os resultados, porém, foram inconclusivos na aplicação do equipamento no ambiente natural, pois, devido à complexidade das características óticas do ecossistema utilizado como modelo.


  • Mostrar Abstract
  • The monitoring of water quality is a tool widely used in the control of water bodies and to
    evaluate the treatment processes of supply and wastewater. Because they are of fast
    determination, the physical parameters color and turbidity are very useful in monitoring water
    quality. Another important parameter is chlorophyll since this is an indirect way to evaluate the
    presence of algae in treated effluents and water bodies due to the eutrophication process.
    However, laboratory methods for analysis of these parameters have little practicality for field
    use. The use of field probes capable of continuously monitoring these parameters decreases the
    high costs associated with collecting, transporting and treating samples in the laboratory, as
    well as the time required for results to be available. Although some probes do not have the
    accuracy of laboratory equipment, or even other field analysis solutions, the continuity of
    monitoring produces extremely useful data for the evaluation of transient events or indicating
    problems that need immediate correction. Thus, this work aimed to develop a low-cost optical
    probe to facilitate the monitoring of water quality through analysis of color, turbidity and
    chlorophyll-a, with the validation of its use in a natural water body and in an effluent treatment
    plant by stabilization ponds. The results show that the equipment developed has the capacity to
    perform the environmental monitoring of the characteristics proposed in the effluent treatment
    station, provided that it is properly calibrated and its measuring ranges are respected. The
    results, however, were inconclusive in the application of the equipment in the natural
    environment, due to the complexity of the optical characteristics of the ecosystem used as a
    model.

SIGAA | NTI - Núcleo de Tecnologia da Informação - (82) 3214-1015 | Copyright © 2006-2022 - UFAL - sig-app-1.srv1inst1 28/01/2022 16:45